Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Região vai criar fundo para apoiar exportações de produtos hortícolas

O presidente do Governo Regional anunciou hoje um subsídio para os produtos hortícolas transacionáveis. E ainda a criação de um fundo para apoiar as exportações destes produtos, a preços competitivos com os dos produtos dos mercados de destino. 18-06-2020 Presidência
Região vai criar fundo para apoiar exportações de produtos hortícolas

Miguel Albuquerque quer alargar o leque de produtos agrícolas que são hoje exportados da Região para Portugal Continental e mesmo para o estrangeiro. E quer aumentar as quantidades que são já hoje exportadas. Tudo a preços competitivos com os que são produzidos no Continente e noutros mercados de destino.

O presidente do Governo Regional, que visitou hoje de manhã o organismo Madeira Agrícola, localizado no Mercado Abastecedor de Santana, prometeu ainda mais investimento para aquelas instalações, visando «melhorar as condições logísticas e operacionais das mesmas, nomeadamente através da aquisição de uma nova máquina de processamento e embalamento. Uma compra também a pensar no circuito da exportação.

Miguel Albuquerque, que se fez acompanhar pelo secretário regional da Agricultura, Humberto Vasconcelos, anunciou ainda que o Governo Regional se prepara para subsidiar os produtos transacionáveis. Aliás, haverá um fundo exclusivo da Região para apoiar a exportação destes produtos. No orçamento suplementar, atualmente a ser ultimado, será incluída verba para tal.

O governante enalteceu, também, o potencial de crescimento a nível agrícola que a Madeira, que apontou como extraordinário.

E recordou que durante muito tempo as pessoas diziam que a Agricultura não dava nada, algo que hoje é desmentido todos os dias. E desafiou quem não acredita no sucesso empresarial da atividade agrícola a dar um salto aos supermercados e ver os preços dos hortícolas, que são os mais caros a seguir à carne e ao peixe.

Agora, o propósito é apoiar os agricultores, de modo a que eles possam colocar os seus produtos em Portugal Continental a preços competitivos com os que lá são produzidos, ou seja ao mesmo preço dos produtos agrícolas nacionais. Para tal, será criado um fundo exclusivo para apoiar essas exportações.