Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Região vai aproveitar QCA para melhorar explorações e produtos

As negociações para o próximo Quadro Comunitário de Apoio estão a decorrer bem. E a Região vai introduzir, no âmbito do mesmo, fatores de tecnologia e inovação na produção, para melhorar a rentabilidade das explorações e a qualidade dos produtos. 30-09-2020 Presidência
Região vai aproveitar QCA para melhorar explorações e produtos

Miguel Albuquerque anunciou hoje que a Região vai, no âmbito do próximo Quadro Comunitário de Apoio, «introduzir fatores de tecnologia e inovação na produção, no sentido de melhorar as rentabilidades das explorações, a qualidade dos produtos e a formação aos empresários agrícolas».

O presidente do Governo Regional falava durante uma visita a uma exploração agrícola na Ribeira Brava, uma produção de banana biológica, a qua elogiou e disse ir ao encontro do que se pretende para a Madeira: «termos exploração com alguma escala». «Estamos a falar de mais de dois mil metros quadrados de produção, com fatores produtores inovadores, que facilitam o trabalho e diminuem os custos», acentuou.

O governante salientou ainda ser «importante que um produtor se preocupe com a produção e não tenha de se preocupar com a comercialização», lembrando que esse é o papel da GESBA, que é para continuar.

Miguel Albuquerque mostrou-se ainda confiante de que a produção biológica de banana da Madeira vai ser, de certeza, um sucesso, tanto no mercado interno como no mercado externo. Até porque, lembrou, tem um preço mais elevado.

A outro nível, questionado sobre as negociações para o próximo Quadro Comunitário de Apoio, disse que as mesmas têm decorrido bem, embora o programa ainda vá ao Parlamento Europeu.

«Ainda temos alguns fatores a discutir, nomeadamente uma redução do POSEI, que não deixa de ser um pouco estranha. Mas, penso que encontraremos uma solução. Não teria um efeito grande a redução, mas é um mau precedente. Mas, no quadro geral, não é um mau acordo para a Madeira», concluiu.


Anexos

Descritores