Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Governo investe 3,4 milhões para recuperar canais de rega danificados por temporais

A ARM lançou um conjunto de 17 empreitadas nos concelhos mais afetados, que preveem a recuperação de cerca de 90 km de canais. 06-05-2021 Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas
Governo investe 3,4 milhões para recuperar canais de rega danificados por temporais

O Governo Regional vai investir 3,4 milhões de euros na recuperação de 90 quilómetros de levadas, que ficaram obstruídos na sequência dos temporais do final do ano passado.

"No total, verificámos que existiam 90 quilómetros de levadas obstruídas pela precipitação intensa que desencadeou desmoronamentos e os canais ficaram de tal maneira obstruídos que a água não passa", disse a secretária regional do Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas, sublinhando que «as infraestruturas de rega que foram afetadas têm rapidamente de ser recuperadas para garantir o regadio já a partir do fim deste mês de maio».
Susana Prada deslocou-se a São Vicente, juntamente com o presidente da ARM e o presidente da Câmara Municipal, para visitar as obras de recuperação da levada dos Cardais, que tem "cinco quilómetros de extensão, cuja intervenção vai custar 160 mil euros".


Esta obra, explicou Susana Prada, "insere-se numa empreitada bastante maior que foi lançada na sequência dos temporais de dezembro e janeiro de 2020", realçou. A governante mencionou que, devido a estes temporais, foram detetadas levadas obstruídas "em cinco municípios da região, nomeadamente, São Vicente, Santana, Machico, Santa Cruz e Funchal".


Por isso, salientou, o Governo Regional lançou "uma empreitada grande, de 3,4 milhões de euros, para em primeiro lugar desobstruir os canais e fazer com que a água chegue aos terrenos agrícolas. Depois, seguir-se-á a reconstrução de troços de canal e de açudes de captação de água».


"Para já, até ao fim do mês vamos desobstruir as levadas, a água vai chegar aos agricultores", destacou, assegurando que o objetivo é "fazer que com que chegue água até junho aos agricultores das zonas afetadas".
A governante adiantou que "nalguns casos, em simultâneo", serão feitas as obras de betão, perspetivando que "antes do fim do verão deverão estar recuperadas as captações e os muros de suporte.


Mas, é "a desobstrução das levadas que é urgente realizar para os lavradores poderem regar", sublinhou Susana Prada.

Recorde-se que na sequência do mau tempo que se verificou na Região, no dia 25 de dezembro de 2020, com maior impacto na Costa Norte, as infraestruturas do regadio público associadas às várias levadas localizadas nos concelhos de São Vicente, Santana, Machico, Funchal e Santa Cruz, foram fortemente afetadas, com destruição de troços de canal e de condutas essenciais para a garantia do regadio agrícola.


No caso particular do concelho de São Vicente, que foi um dos concelhos mais afetados, o investimento rondará os 1,3 M€, para a recuperação da rede de rega nas três freguesias, nomeadamente São vicente, Ponta Delgada e Boaventura.

 

O “período de giro” na Região tem início, habitualmente, no mês de maio, pelo que se tornou necessário a realização de um conjunto de empreitadas urgentes para a desobstrução e a reconstrução de toda a rede de rega afetada, de modo a garantir o regadio das zonas abrangidas pelos canais, durante o período de verão que se avizinha. 

Para o efeito, a ARM lançou um conjunto de 17 empreitadas nos concelhos mais afetados, que preveem a recuperação de cerca de 90 km de canais.


Anexos

Descritores