Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Governo limpa zona protegida para recuperar vegetação importante para captação da água do nevoeiro

A intervenção do Governo Regional, através do Instituto de Florestas e Conservação da Natureza (IFCN) centra-se na zona entre os Estanquinhos e Bica da Cana e tem como objetivos retirar as plantas invasoras, que facilitam a ignição, a progressão e a intensidade de incêndios florestais, aumentando a segurança das populações e protegendo a biodiversidade indígena. 25-08-2021 Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas
Governo limpa zona protegida para recuperar vegetação importante para captação da água do nevoeiro

O Governo Regional da Madeira iniciou a limpeza de 110 hectares no Paul da Serra. Uma zona protegida, conforme explicou a secretária regional do Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas, Susana Prada, «onde se pretende recuperar a vegetação de altitude, o urzal, tão importante, como sabemos, na captação da água do nevoeiro».

Para que o urzal regenere, frisou Susana Prada, «é necessário remover as plantas invasoras, essencialmente, carqueja e giesta, que impedem que este se desenvolva».

 

A intervenção do Governo Regional, através do Instituto de Florestas e Conservação da Natureza (IFCN) centra-se na zona entre os Estanquinhos e Bica da Cana e tem como objetivos retirar as plantas invasoras, que facilitam a ignição, a progressão e a intensidade de incêndios florestais, aumentando a segurança das populações e protegendo a biodiversidade indígena; permitir a retirada do coberto vegetal invasor e a regeneração da vegetação característica desta altitude, uma vegetação menos atreita à propagação de incêndios e que cumpra funções ecológicas, como a proteção do solo contra a erosão e a infiltração de água; requalificar a paisagem e aumentar as áreas ocupadas por habitats indígenas, protegidos pela Diretiva Habitats.

 

A remoção das invasoras está a ser feita de forma mecânica e manual, salvaguardando espécies indígenas que se encontrem no local. O material retirado, sempre que possível, será estilhaçado e espalhado no local, contribuindo para a cobertura do solo, para a proteção contra a erosão e perda de humidade e para a reposição de nutrientes.

 

Esta intervenção junta-se a outras que foram feitas recentemente pelo GR no Paul da Serra, como os cerca de 120ha limpos e reflorestados na Cova Grande, ou as intervenções de privados apoiados pelo PRODERAM, como os 332ha no Montado das Rabaças e os 56ha na Malhadinha, ambos na Ponta do Sol, que foram limpos e reflorestados


Anexos

Descritores