Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Emissões de Gases de Efeito de Estufa alvo de quantificação

O objetivo do Governo Regional passa por realizar um inventário de emissões de gases com vista à neutralidade carbónica. 03-03-2020 Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas
Emissões de Gases de Efeito de Estufa alvo de quantificação O Governo Regional, através da Direção Regional do Ambiente e Alterações Climáticas, está a elaborar um Inventário das fontes emissoras de gases com efeito de estufa e da remoção através de sumidouros.
Trata-se de um inventário que identifica as fontes que emitem Gases com Efeito de Estufa fixando objetivos de redução dessas mesmas fontes, caminhando assim para a tão ambicionada neutralidade carbónica. Segundo Susana Prada, trata-se de “encontrar um equilíbrio entre as fontes emissoras de Gases com Efeito de Estufa e a remoção do CO2 emitido, o que pode ser feito através de projetos de reflorestação” disse a secretária regional do Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas. 
No fundo será uma ferramenta para a definição das políticas ambientais traçando medidas de mitigação das emissões Gases com Efeito de Estufa.
Energia, agricultura, transportes (terrestres, marítimos e aéreos), indústria, uso do solo, resíduos, economia circular, pecuária e florestas são os sectores temáticos considerados relevantes para integrar o Inventário de Emissões.
Para o efeito, teve início, pela Direção Regional do Ambiente e Alterações Climáticas as reuniões do grupo de acompanhamento constituído pelos sectores identificados como relevantes para o processo de construção do inventário regional.  
A reunião, teve orientação técnica da empresa CAOS, Lda. assegurada por dois especialistas em políticas de mitigação e adaptação às alterações climáticas com experiência internacional na elaboração de inventários de emissões por fontes de Gases de Efeito de Estufa e remoção por sumidouros de poluentes atmosféricos, de modo a obter uma metodologia fiável e uma desejável representatividade e comparabilidade dos resultados.
Segundo fez saber o Diretor Regional do Ambiente e Alterações Climáticas, Ara Oliveira, à margem das reuniões de trabalho, “até ao final do ano a região ficará munida de um instrumento fundamental para o desenvolvimento de uma política climática sólida e consequente para os próximos anos”.
Para além da Direção Regional do Ambiente e Alterações Climáticas, o Grupo de Acompanhamento conta com representantes da Agência Regional de Energia e Ambiente da Madeira, Empresa de Eletricidade da Madeira, Atlantic Island Electricity, Direção Regional de Agricultura, Direção Regional de Economia e Transportes Terrestres, Secretaria Regional do Turismo e Cultura, Direção Regional de Estatística, Administração dos Portos da Região Autónoma da Madeira, Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, Águas e Resíduos da Madeira e Direção Regional do Ordenamento do Território.