Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Vigilância mantém-se nas serras

Instituto das Florestas e da Conservação da Natureza tem ativo o seu plano de contingência. 26-03-2020 Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas
Vigilância mantém-se nas serras Apesar das restrições impostas face à evolução da epidemia de Covid-19, a vigilância nas serras da Região continua a ser realizada, de acordo com o plano de contingência do Instituto das Florestas e da Conservação da Natureza, que prevê a redução das brigadas a dois elementos.
“Temos praticamente o mesmo número de pessoas a fazer a vigilância, de modo a garantir a segurança da população e do nosso património. Estamos ativos e presentes em todo o espaço florestal, garantiu o presidente do Instituto, Manuel Filipe, que garantiu haver permanentemente membros da Corpo de Polícia Florestal no terreno.
Além das viaturas e das motos4x4, fazem parte do dispositivo de vigilância drones que conseguem abranger uma área de vigilância muito grande de maneira eficaz.
Recorde-se que o Governo Regional tem vindo a investir neste órgão de polícia criminal, dotando-o de meios essenciais para o desenvolvimento da sua missão.  Além da renovação de 12 postos florestais, de seis torres de vigilância e de vários equipamento e material cujo investimento total situa-se nos dois milhões de euros, está igualmente a decorrer o concurso para a aquisição de 11 Veículos Operacionais de Proteção e Socorro no valor de 650 mil euros.
O efetivo do Corpo de Polícia Florestal é atualmente composto por 73 elementos, estando um efetivo permanente de 3 Polícias Florestais na Ilha do Porto Santo. Este corpo de polícia será brevemente reforçado após a conclusão do concurso externo para o preenchimento de 10 vagas para a Carreira Especial de Guarda Florestal.


Anexos

Descritores