Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Conselho Consultivo de Economia estuda retoma gradual da atividade Económica

CCE é presidido pelo Secretário Regional com a tutela da Economia, Rui Barreto, e coordenado por Cristina Pedra 17-04-2020 Economia
Conselho Consultivo de Economia estuda retoma gradual da atividade Económica

O Governo Regional formalizou, na passada quinta-feira, em reunião do Conselho de Governo, a criação do Conselho Consultivo de Economia da Região Autónoma da Madeira (CCE), que será presidido pelo Secretário Regional com a tutela da Economia, Rui Barreto, e coordenado por Cristina Pedra, empresária e ex-presidente da ACIF, que assumirá o cargo, não remunerado, de Conselheira Executiva.


A primeira reunião do CCE realizou-se, hoje (ontem), através de videoconferência, com o objetivo de ouvir os parceiros sobre a eventual adoção de uma estratégia integrada com vista à retoma gradual da atividade económica na Região.

Nesta primeira reunião, o Secretário Regional de Economia, Rui Barreto, pediu o contributo das entidades que integram este órgão consultivo com vista à elaboração de um plano de relançamento da economia “que devolva a confiança e proteja os empregos”.


As medidas drásticas que estão a ser tomadas terão implicações sérias sobre a economia e o Governo Regional já está a pensar no pós-pandemia.


Sob o argumento de que a economia não pode parar, alguns países já anunciaram uma gradual normalização, mas para o governante com a tutela da Economia “o abrandamento das medidas de isolamento social deve ser gradual e assimétrico de modo a que o esforço que temos feito não fique comprometido”.


Entre os membros do Conselho Consultivo é consensual que o levantamento das restrições deve ser lento e só pode acontecer se forem implementadas medidas de saúde pública adequadas, como o uso de máscara, luvas e planos de contingência rigorosos, entre outros.


“O alívio das regras em que atualmente vivemos tem de obedecer ao princípio da prudência e basear-se na evolução da curva epidémica, bem como, na análise de risco de um aumento exponencial de infeções e, naturalmente, deve ocorrer tão depressa quanto possível”, sublinha Rui Barreto.


O Secretário Regional de Economia e presidente do CCE defende, por isso, que “a insegurança económica não pode comprometer a segurança da saúde pública, daí a necessidade de definir uma estratégia sólida e consistente de reabertura gradual e totalmente regulatória e prudencial”.


Recorde-se que o Conselho Consultivo de Economia é um órgão independente que integra como membros permanentes, a ACIF, a AJEM, a ASSICOM, a Associação de Agricultores da Madeira, a Cooperativa de Pesca do Arquipélago da Madeira, o Instituto de Qualificação Profissional, a Universidade da Madeira, o ISAL e o IDE.

O CCE realizará reuniões ordinárias, nas quais estarão presentes os membros permanentes, bem como reuniões extraordinárias, para as quais serão convidados outros parceiros, mediante as temáticas em discussão, podendo ser pessoas singulares ou coletivas.


Este órgão consultivo foi desenhado com o objetivo de criar uma ligação mais próxima entre os diversos agentes da política económica, criando um canal direto de comunicação que permita a estruturação da decisão política.