Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Clubes têm hoje de se adaptarem aos novos desafios

O presidente do Governo Regional garantiu hoje ao 1º de Maio vários apoios. Mas, lembrou que hoje os clubes têm um papel muito mais amplo, que não se esgota apenas no campo desportivo e que pode perfeitamente ser alargado ao lazer, à recreação, à formação e à cultura. 05-01-2022 Presidência
Clubes têm hoje de se adaptarem aos novos desafios

Miguel Albuquerque diz que os clubes têm hoje novos desafios, que passam pela resposta às expetativas e anseios das populações que representam, não só desportivamente, mas também aos níveis lúdico, recreativo e cultural, tanto ao nível dos mais jovens como para os mais idosos.

Um trabalho reforçado, a ser feito em parceria com Casas do Povo, Juntas de Freguesia, Câmaras e Governo, conforme sublinhou o presidente do Governo Regional, hoje, na cerimónia de entrega de um edifício, onde funcionou a antiga escola básica do primeiro ciclo do Palheiro Ferreiro, ao Clube Desportivo 1º de Maio, para acolher a sede do clube e para fins sociais.

O governante sublinhou estarmos perante uma nova fase da vida do clube. «E esta nova fase corresponde também a um acréscimo das responsabilidades, quer da direção quer dos órgãos sociais, nas expetativas que estão criadas junto da população de São Gonçalo», lembrou.

«Com 100 anos de vida, o Clube 1º de Maio é um marco e faz parte da história do Funchal e da freguesia de São Gonçalo. E, ao longo das sucessivas direções, com maior ou menor dificuldade, o clube sempre correspondeu às expetativas e aos anseios da população da freguesia, sobretudo no que diz respeito à formação desportiva e à competição desportiva», destacou.

Agora, para além da continuidade dos apoios às instituições desportivas, há novos desafios presentes, que são exigências dos clubes modernos. «E que vão corresponder, de facto, a um trabalho que é exigido às próprias instituições clubísticas, em articulação com as entidades públicas de intervenção política e social», sublinhou.

Ou seja, «estas instalações para além de melhorarem a oferta desportiva do clube, permitirão uma resposta social junto da população, sobretudo junto dos mais novos e dos mais idosos, que deve ser articulada com a Casa do Povo, com a Junta de Freguesia, com a Câmara Municipal e com o Governo».

O líder madeirense deu o exemplo de um dos grandes problemas com que as famílias, hoje em dia, se deparam que é a dificuldade de arranjar um ligar onde deixar os filhos, nas férias escolares, enquanto trabalham.

«Uma das formas de afirmação dos clubes é terem atividades recreativas, lúdicas e de formação em tempo de férias. As férias desportivas e as férias culturais são novas atividades que este clube está em condições de oferecer, sobretudo com estas novas instalações», preconiza.

O mesmo se passa em relação à população idosa. «Também aqui podem criar um conjunto de atividades recreativas, lúdicas e desportivas», sugeriu.

Por outro lado, anunciou que o Governo vai continuar a avançar com apoios à melhoria das instalações desportivas. Lembra que houve projetos ficaram parados pela pandemia, mas que agora poderão avançar. É o caso do projeto de recuperação dos balneários e cabines do 1º de Maio.

«Mas, ainda bem que não se avançou com o projeto para os balneários. Porque, na próxima terça-feira, vem cá o senhor secretário dos Equipamentos, para reunir com a direção do clube, e adequar o projeto à nova realidade. E há coisas que seriam colocadas nas zonas das cabines que agora serão instaladas aqui, com melhor eficácia e comodidade», acrescentou.

O líder madeirense diz que as obras em questão serão feitas com a maior urgência, mas temos lembra que a Região tem um bom problema, neste momento: há muitas obras em curso e não há empreiteiros, nem mão-de-obra, nem matéria prima suficientes. Significa que a economia está em crescimento…

Em jeito de resumo, Miguel Albuquerque garante que tudo vai correr o mais rapidamente possível e que «vamos recuperar este edifício e adaptá-lo aos novos objetivos, bem como ainda vamos recuperar os balneários e as cabinas».