Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

Assinalados 91 anos da “Revolta da Madeira”

Recordar e manter a afirmação dos princípios autonómicos. 04-04-2022 Educação, Ciência e Tecnologia
Assinalados 91 anos  da “Revolta da Madeira”

O Governo Regional da Madeira assinalou, esta segunda-feira, os 91 anos da “Revolta da Madeira”, um movimento político contra a ditadura militar, que exigia o regresso ao regime republicano democrático e constitucional. Este levantamento liderado por oficiais subalternos, com o apoio dos madeirenses, assumiu o controlo da Madeira durante um mês, de 4 de abril a 3 de maio de 1931. Neste período, esteve em pleno exercício de funções um governo provisório na Madeira, que terminou após a chegada de um forte contingente militar vindo de Lisboa.

 

Para assinalar a “Revolta da Madeira”, vários membros do Executivo marcaram presença deposição de flores junto ao monumento dedicado à efeméride, numa cerimónia onde também estiveram o Presidente da Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira, José Manuel Rodrigues, e o Presidente da Câmara Municipal do Funchal, Pedro Calado.

 

Na oportunidade, o porta-voz do Governo Regional, Jorge Carvalho, sublinhou a importância de se celebrar o 4 de abril de 1931. «Foi um momento que se tornou parte da história da Região Autónoma da Madeira, onde se procurava afirmar já os nossos princípios autonómicos. Não devemos perder as nossas memórias, até porque essas conquistas ainda não são plenas. Daí que assinalar os 91 anos da Revolta da Madeira é relembrar condicionantes que ainda hoje são limitadoras da nossa afirmação enquanto povo», sublinhou o secretário regional de Educação, dando como exemplos da busca contínua de mais e melhor Autonomia a lei das finanças regionais, a continuidade territorial e o exercício das funções da República em determinadas áreas na região.

 

«Continuamos a manter uma dialética de afirmação da Autonomia, num processo que é contínuo e evolutivo e no qual devemos trabalhar e nos empenhar. Este momento serve para afirmarmos esses princípios», concluiu Jorge Carvalho.