Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

"Não tive qualquer dificuldade em tomar a decisão"

Miguel Albuquerque diz que a decisão é fácil quando se tem de escolher entre a Saúde e a vida de atletas e seus familiares, bem como da comunidade onde os mesmos estão inseridos, e uma prova ou campeonato desportivo. 30-10-2020 Presidência
"Não tive qualquer dificuldade em tomar a decisão"

O presidente do Governo Regional diz que não teve qualquer dificuldade em tomar a decisão que obriga atletas, técnicos e dirigentes desportivos a, no regresso de prova ou jogo desportivo no Continente, realizar um primeiro e um segundo teste à COVID e esperar, em quarentena, pelos resultados dos mesmos.

«A questão não é se gostar ou deixar de gostar. A questão é estabelecer prioridades. De um lado, temos a Saúde e a Vida dos atletas, dos treinadores, dos familiares e da comunidade onde os mesmos estão inseridos e do outro lado temos a continuação do campeonato, das provas desportivas. Quando temos de escolher entre estes dois valores, a escolha é fácil. Primeiro, está a saúde e a vida das pessoas», explicou.

Questionado pelos jornalistas, à margem da visita que fez hoje à escola secundária Francisco Franco, Miguel Albuquerque reforçou que não teve nenhuma dificuldade em tomar a decisão, atendendo à escala de valores que estava em causa, lembrando que no próximo fim-de-semana deverá ser anunciado que não haverá campeonatos ao nível do desporto não profissional, «uma vez que a situação pandémica está de tal ordem que é quase suicidário as nossas equipas se desloquem para a prática de jogos de contacto ou coletivos».

«É muito arriscado e isso traz, depois, consequências para a segurança dos nossos concidadãos. Não podemos nos permitir à criação de focos locais por causa de uma situação destas», enfatizou.

Segundo o líder madeirense, «as federações têm de estar em conformidade com o que são os interesses primaciais da nossa sociedade, quer na Madeira, quer no Continente, que passam por acautelar a Saúde Pública e a vida das pessoas numa situação de pandemia». E prosseguiu: «Estas associações e federações, estando associadas ao Desporto e sendo o desporto uma escola de valores cívicos, devem dar o exemplo».