Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

“Tudo faremos para integrar rapidamente estas pessoas”, garante Rita Andrade

Governo Regional operacionaliza plano de integração para cidadãos ucranianos 04-03-2022 Inclusão Social e Cidadania
“Tudo faremos para integrar rapidamente estas pessoas”, garante Rita Andrade

Mais de 70 cidadãos ucranianos vão ter, a partir de hoje, atendimento personalizado numa ação concertada do Governo Regional, com especial enfoque para a área social.

 

Ao longo do dia de hoje e na próxima 2ª feira, decorre num hotel do Funchal uma sessão presencial de atendimento aos cidadãos ucranianos que já se encontram na Região por motivos de guerra no seu país, em que, além da recolha de dados gerais, serão disponibilizados serviços de atendimento personalizado do Instituto de Emprego da Madeira, e do Instituto de Segurança Social da Madeira, para que estes possam ser encaminhados para as melhores soluções de integração e acolhimento, caso assim o desejem. No total serão montados 7 balcões de atendimento presencial para conseguir responder de forma efetiva e eficaz às questões e diagnosticar as necessidades destas pessoas.

 

A partir de terça-feira, dia 8 de março, ficará disponível, no Balcão n.º 30 da Loja do Cidadão, um Gabinete de Apoio da Secretaria Regional de Inclusão Social e Cidadania, onde outros cidadãos ucranianos que entretanto possam chegar e que pretendam regularizar a sua situação terão também atendimento personalizado, sendo encaminhados para procura de emprego e acesso a possíveis apoios sociais, consoante o diagnóstico feito da sua situação.

 

“Nestes momentos excecionais de adversidade, para além do esforço dos organismos públicos, é fundamental a participação de todos, da sociedade civil e das empresas em particular”, realça Rita Andrade, Secretária Regional de Inclusão Social e Cidadania, que lidera esta operação.

 

Regularizar a situação junto do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF) é o primeiro passo

A governante recorda que para requerer todos os apoios necessários é regularizar a sua situação, “os cidadãos ucranianos retidos na Região devem, em primeiro lugar, dirigir-se ao Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), de forma a obter o n.º de processo de proteção internacional. Cumprido este requisito, o passo seguinte será dirigirem-se à Loja do Cidadão para emissão de cartão de cidadão, podendo, a partir desta fase, ter os mesmos direitos e acesso aos mesmos serviços públicos que um cidadão madeirense ou porto santense”.

 

Instituto de Emprego e Direção Regional dos Assuntos Sociais disponibilizam contactos diretos

No que diz respeito ao Instituto de Emprego da Madeira, estão a ser criados canais de comunicação específicos para este efeito, tendo sido criado um endereço de e-mail, sosemprego@iem.madeira.gov.pt, para que as empresas interessadas em recrutar trabalhadores possam manifestar o  seu interesse ou, em alternativa, preencher o formulário de oferta(s) de emprego em www.iem.madeira.gov.pt/sosemprego.

Posteriormente, o Instituto de Emprego da Madeira, IP-RAM fará o ajustamento de candidatos que correspondam ao perfil pretendido pelas entidades empregadoras, assegurando o acompanhamento destes cidadãos no restante processo de inserção profissional.

Foi ainda criado um endereço de e-mail, a ser gerido pela Direção Regional dos Assuntos Sociais, que poderá ser utilizado pelos cidadãos ucranianos refugiados na nossa Região, para pedir apoio social ou serem encaminhados para outros serviços: sosmadeira@madeira.gov.pt.

Até ao final da semana será ainda criada uma base de dados onde os madeirenses poderão manifestar a sua vontade em acolher refugiados ucranianos.

“Neste momento, temos 73 cidadãos ucranianos retidos na Região devido ao contexto de guerra que se vive no seu país, e temos conhecimento de vários outros já a caminho, que escolheram a Madeira por terem cá familiares ou amigos residentes. É fundamental acolher estas pessoas, proporcionar-lhes toda a informação e apoio nesta fase, e integrá-las da melhor forma possível enquanto dura este conflito. Tudo faremos para que estas pessoas não fiquem desprotegidas num momento tão difícil, e por isso o Governo Regional lançou esta operação de cariz social, que pretende ser facilitadora da procura de emprego e acesso a apoios e proteção social por parte destes cidadãos”, concluiu Rita Andrade.


Anexos

Descritores