Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Inteligência Artificial tem cada vez mais destaque no desenvolvimento de políticas públicas

O Secretário Regional das Finanças, Rogério Gouveia, defendeu, esta tarde, que o Governo Regional assume a valorização do conhecimento como a principal vantagem competitiva, e as pessoas como o recurso mais crítico para o futuro da Região, pelo que continuará a promover a implementação das melhores práticas digitais, com recurso à inteligência artificial. 26-11-2021 Finanças
Inteligência Artificial tem cada vez mais destaque no desenvolvimento de políticas públicas

O governante, que presidiu à Sessão de Abertura da Conferência “Inteligência Artificial: A realidade!”, realçou que o valor deste recurso é incomensurável e tem cada vez maior destaque no desenvolvimento de políticas públicas integradas, capazes de responder aos grandes desafios do nosso tempo.

Lembrando o grande investimento que o Executivo tem vindo a fazer no âmbito da transformação digital da Região – que viabilizou que os serviços da Administração Pública, ainda que a trabalhar de forma remota, não parassem durante a pandemia e garantissem a prestação dos cuidados de saúde, a prossecução do ano escolar, a continuação dos apoios sociais, o atendimento público, a garantia dos transportes, etc –, o secretário regional salientou que o Plano de Recuperação e Resiliência (PRR) constituirá, também,  um impulso determinante para a transformação digital e para que a Região continue no caminho do desenvolvimento e da melhoria da qualidade de vida da sua população.

Neste sentido, acrescentou o responsável, o Orçamento da Região para 2022 tem previsto cerca de 126 milhões provenientes do PRR para reforçar as medidas de resiliência, da transição climática e da transição digital na RAM, nomeadamente no que se refere à digitalização do Serviço Regional de Saúde, à modernização da escola digital e, entre outros, a desmaterialização da Administração Pública Regional, através de novos serviços e aplicações de inteligência artificial, que facilitem a vida dos cidadãos e promovam ganhos de eficiência e de produtividade para entidades públicas e privadas.