Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

Orçamento Regional e PIDDAR para 2023 aprovados com os votos favoráveis do PSD e do CDS

O Orçamento Regional dispõe de uma verba de 2.071 milhões de euros. O Plano de Investimento agrega um valor de 775,1 milhões de euros. 15-12-2022 Finanças
Orçamento Regional e PIDDAR para 2023 aprovados com os votos favoráveis do PSD e do CDS

A maioria destes recursos está direcionada para as medidas sociais que são reforçadas, com destaque para o apoio às famílias, aos socialmente mais fragilizados, à classe média aos jovens e aos idosos.

A redução de impostos também vai beneficiar o tecido empresarial da Madeira e Porto Santo, numa estratégia que passa também pelo promoção da plena integração do nosso tecido económico nas redes de um mundo globalizado, através da aposta em políticas de promoção da Inovação, da Investigação e do empreendedorismo

No encerramento do debate do Orçamento da região para 2023, o secretário regional das Finanças destacou que, apesar do momento de particular incerteza económica e financeira, o Governo Regional continuará a redirecionar todos os recursos para medidas que procuram, não só, combater o aumento do custo de vida e evitar o agravamento de injustiças e desigualdades, mas também desenvolver e fortalecer a coesão e a justiça social, através do apoio às famílias, aos socialmente mais fragilizados, à classe média, aos nossos jovens, aos nossos idosos.

O governante defendeu que em resposta às circunstâncias negativas que impactam o dia-a-dia da nossa população, serão prolongadas e reforçadas múltiplas medidas que fortalecem a proteção social, como as que promovem soluções inovadoras na rede de cuidados continuados, na promoção da assistência domiciliária e no complemento regional para os idosos.

A prioridade ao emprego prevalece, no próximo ano, através das medidas de apoio à manutenção e à criação de postos de trabalho.

O Orçamento para 2023 dá continuidade a um programa ambicioso de investimento público, em vista a um crescimento sustentável da economia.

São obras de direto benefício social, como são as de construção de habitação, escolas, infraestruturas desportivas e de recreio, lares de terceiras idade, centros de saúde, centros cívicos, zonas de lazer, varadouros, portos de pesca, taludes e até estradas, em prol da consolidação do desenvolvimento de todos os nossos concelhos e freguesias e do progresso da nossa população.

“É esta, pois, a base para olhar o futuro com esperança através da melhoria sustentada e efetiva das condições de vida da nossa população e das nossas empresas e de continuar o trabalho que muito nos orgulha”, defendeu Rogério Gouveia.