Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Televisão Digital Terrestre na Madeira muda para permitir o avanço do 5G

Vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, presidiu, hoje, à sessão de lançamento do processo de migração da Televisão Digital Terrestre (TDT) na Madeira. 09-12-2020 Vice-Presidência
Televisão Digital Terrestre na Madeira muda para permitir o avanço do 5G

Promovida pela Autoridade Nacional de Comunicações (ANACOM), a sessão marcou o fim da emissão da rede de televisão na faixa dos 700 MHz, que passa agora a funcionar num sistema terrestre capaz de fornecer serviços de comunicações eletrónicas sem fios em banda larga, permitindo assim a implementação da 5ª geração móvel (5G).

Lembrando que o papel desempenhado pelas telecomunicações na sociedade tem assumido um caráter de crescente importância, na mesma medida que tem possibilitado o estabelecimento de uma economia cada vez mais dependente da velocidade e disponibilidade da conectividade, o vice-presidente defendeu que com este investimento, a Região vai poder dispor de mais e melhores redes de comunicação, colocando-se numa posição muito avançada e capaz de responder aos desafios futuros.

“Foi, justamente, considerando a grande importância e prioridade do desenvolvimento tecnológico da Região, que o Governo Regional decidiu investir num novo sistema submarino de telecomunicações entre a Madeira e Portugal Continental, permitindo o incremento da competitividade do mercado de telecomunicações e a redução dos custos de insularidade, atuando, em paralelo, como catalisador do desenvolvimento tecnológico da Região”, evidenciou o governante, salientando que a nova ligação em cabo submarino que ligará a Madeira ao continente Português, através do cabo internacional Ellalink que interliga a Europa à América do Sul, deverá estar em serviço em abril de 2021.

O novo cabo submarino, já está, inclusive, a suscitar interesse da comunidade científica. Há investigadores da Universidade de Southampton interessados na Madeira, devido à possibilidade de poder recolher dados nos fundos oceânicos, que serão depois disponibilizados, monitorizados e estudados em tempo real.

“Com este cabo internacional, a Região vai poder dispor de mais e melhores redes de comunicação em fibra ótica, colocando-se numa posição muito avançada para o novo paradigma da sociedade que é a digitalização e a conetividade”, referiu.

Na ocasião, o governante lembrou, ainda, que a aposta na transição digital é um dos instrumentos essenciais da estratégia de desenvolvimento da Região, perfilado com os objetivos políticos que irão nortear os investimentos da União Europeia no próximo quadro plurianual financeiro 2021-2027.

“Uma aposta que se insere numa estratégia de maior eficácia governativa que, tendo em conta as oportunidades que são criadas pelas novas tecnologias digitais, bem como as boas práticas e a experiência adquirida, visa ganhos de eficiência no que diz respeito à modernização e desburocratização do funcionamento da Administração Pública, de forma à prestação de melhores serviços aos cidadãos e às empresas”, disse.