Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Albuquerque destaca papel das Casas do Povo

As Casas do Povo têm sido fundamentais no desenvolvimento da Madeira e no papel social que exercem. Por isso, Miguel Albuquerque garante a continuidade dos apoios do Governo àquelas instituições 31-05-2019 Presidência
Albuquerque destaca papel das Casas do Povo Miguel Albuquerque destacou, nesta quinta-feira à tarde, a importância das Casas do Povo na construção da modernidade da Madeira autónoma e o seu papel social fundamental, nas áreas sociais, culturais e educacionais.

O presidente do Governo Regional falava na sessão de abertura do Arraial das Casas do Povo, uma iniciativa das mesmas, que decorre até sábado na Praça do Povo, no Funchal.

O governante enalteceu o trabalho feito pelas Casas do Povo, garantindo que o Governo Regional vai continuar a apoiá-las, «a estas instituições tão importantes para a concretização das políticas sociais, culturais e educacionais da nossa Região». (até aqui, para o Facebook, depois link para o site, com todo o texto)

Contrariando o snobismo de quem considera menores as Casas do Povos, Miguel Albuquerque contrapôs com a ligação das mesmas à construção da nossa Autonomia política e ao desenvolvimento integral que alcançámos na Madeira.

«Ao longo destes quatro decénios de Autonomia política, os governos da Madeira sempre perceberam, com inteligência, a importância desta parceria fundamental entre o Governo da Região e as instituições de proximidade às populações», sublinhou.

O presidente madeirense fez ainda questão de reconhecer a agradecer aos governantes que no passado tutelaram as Casas do ovo e que também estiveram presentes: Rui Fontes, Bazenga Marques, Francisco Perry Vidal (já falecido, representado pela sua esposa, Teresa Perry Vidal), Manuel António Correia e Rubina Leal.


«Estou muito satisfeito não só por se ter organizado este evento no quadro das comemorações dos 600 anos, mas sobretudo por se ter aqui, na principal praça do Funchal, uma evocação e uma amostragem das Casas do Povo. É um nome bonito: Casas do Povo. Sempre ao serviço do povo. E vamos demonstrar, mais uma vez, que o povo está connosco, no presente e no futuro», disse ainda, a concluir.