Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

A Madeira não pode desperdiçar as condições "excepcionais" para desenvolver a aquacultura

O Governo Regional vai explicar às pessoas as vantagens da aquacultura para prosseguir com o crescimento da economia azul que permite criar riqueza e postos de trabalho 24-01-2020 Mar e Pescas
A Madeira não pode desperdiçar as condições "excepcionais" para desenvolver a aquacultura

A cada 10 quilos de peixe comprado numa grande superfície, 6 quilos serão produzidos em aquacultura. Mais de 50 por cento da produção mundial de peixe é produzido em cativeiro, um valor que irá subir para os 60% em 2030, sintetiza o relatório SOFIA elaborado pelas Nações Unidas.  

De acordo com os vários estudos nacionais e internacionais, em particular o confiável relatório SOFIA 2018, da responsabilidade das Nações Unidas, que avalia o estado da pesca e da aquacultura mundial, este último “continua a crescer mais rápido que qualquer outro sector produtivo de alimentos”, devendo atingir 60% da produção mundial de pescado para consumo humano, em 2030. A aquacultura gera em todo o mundo 19,3 milhões de postos de trabalho.

A aquacultura é uma área estratégica do Governo Regional para o crescimento da economia azul. Uma oportunidade para criar riqueza e postos de trabalho. O Secretário regional de Mar e Pescas, Teófilo Cunha, aponta as "excelentes condições" da Madeira para desenvolver o sector e as vantagens competitivas regionais por via dos mais de 20 anos de experiência no sector.  

Diz que as Nações Unidas, a Europa e a comunidade científica consideram a aquacultura "a forma mais sustentável" de assegurar à população mundial as necessidades de consumo de peixe, a preços acessíveis.

O governante recorda que, todos os anos, Portugal compra à Grécia 90 milhões de euros de dourada. Um valor que deveria ficar em Portugal e na Região.

O Governo Regional irá para o terreno explicar às populações que a Madeira não poderá desperdiçar esta oportunidade e seguir em sentido contrário às recomendações científicas.

Saiba mais aqui:

https://bit.ly/2NV8DM9 


Anexos

Descritores