Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

O controlo do mosquito Aedes aegypti depende da ação de todos.  

Junte-se a esta iniciativa!   20-09-2022 Saúde e Proteção Civil
O controlo do mosquito Aedes aegypti depende da ação de todos.  

O mosquito Aedes aegypti, quando infetado, pode transmitir doenças como a Dengue, Febre Amarela, Chikungunya e Zika. Na Madeira, embora não circulem estas doenças, as autoridades de saúde monitorizam a atividade deste vector e desenvolvem campanhas para promover a identificação e a eliminação dos criadouros destes mosquitos e prevenir picadas. 

 

Os principais criadouros do Aedes aegypti correspondem a pequenas coleções de água estagnada que se podem acumular em objetos provenientes da atividade humana ou elementos naturais, como plantas.  

 

É durante os meses ainda quentes e com ocorrência de alguma precipitação (setembro, outubro, novembro) que o mosquito Aedes aegypti, encontra as condições mais favoráveis ao seu desenvolvimento e proliferação. Neste sentido, é importante que, durante esta época do ano, todos redobrem a sua atenção, adotando um conjunto de práticas que permitem diminuir a disseminação deste mosquito, assim como o risco de ser picado pelo mesmo. 

 

São exemplos de ações, as seguintes:  

  • eliminar latas, garrafas ou quaisquer outros tipos de embalagens plásticas ou descartáveis que possam acumular água em jardins, quintais, arredores da habitação ou terrenos baldios. Por menor que sejam estes objetos (copinhos plásticos, tampas de refrigerantes, cascas de ovos), desde que possam acumular água, deve acomodá-los devidamente em sacos e colocá-los no lixo;  
  • manter os pneus fora de uso secos e em locais cobertos, para evitar a sua exposição à chuva ou outra fonte de água; 
  • não cultivar plantas em recipientes com água e evitar o uso de pratos sob os vasos (em alternativa, pode encher os pratos com areia ou tipo de material semelhante);  
  • manter poços, cisternas e outros depósitos de água bem cobertos. Vedar, com tela fina, aqueles que não têm tampa própria; 
  • tratar a água das piscinas com cloro e assegurar a sua limpeza uma vez por semana. Se estas não forem utilizadas, devem ser mantidas vazias e cobertas; 
  • manter as caleiras limpas e desentupidas, removendo folhas e materiais que possam impedir o escoamento da água; 
  • lavar e mudar a água dos bebedouros dos animais, pelo menos uma vez por semana. 

Em termos de proteção individual, a população deve adotar os seguintes cuidados para diminuir o risco de ser picado por este mosquito:  

  • reduzir a exposição corporal à picada, através do uso de peças de vestuário compridas;  
  • evitar locais de maior exposição durante o amanhecer e anoitecer, pois é durante estes períodos do dia que o Aedes aegypti é mais ativo; 
  • aplicar repelente que contenha entre 20 % a 30% de DEET (NN-dietil-m-toluamida). Ler as instruções das embalagens; e 
  • utilizar redes mosquiteiras nas janelas e portas. 

 

A DRS reforça o desafio: Avalie regularmente o risco e implemente ações para travar a proliferação do mosquito Aedes aegypti! 

 

Na sua casa e no seu local de trabalho, desenvolva uma ação semanal de prevenção

  1. Verifique se existem criadouros na propriedade ou na área circundante; 
  2. Elimine os criadouros que conseguir e, se possível, contacte os responsáveis das áreas onde não pode intervir; 
  3. Se não for possível resolver, notifique a Direção Regional da Saúde da situação que detetou, através do email: drs@madeira.gov.pt. Os nossos serviços farão uma avaliação, implementarão ações corretivas e/ou farão o necessário encaminhamento. 

Junte-se a esta iniciativa. Ajude-nos a controlar o mosquito Aedes aegypti!