Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Governo Regional segue plano para a recuperação de património artístico do Convento

Os trabalhos de recuperação decorrem a bom ritmo no Convento de Santa Clara, no Funchal. Nesse âmbito, acaba de ser alterado o escalonamento dos encargos orçamentais relativos à aquisição de serviços de conservação e restauro de pintura, escultura e talha dourada móvel/integrada no Convento de Santa Clara. 22-05-2020 Turismo e Cultura
Governo Regional segue plano para a recuperação de património artístico do Convento

A nova portaria, assinada pela Vice-Presidência e pela Secretaria Regional de Turismo e Cultura, e que vem substituir o n.º 1 da anterior, de 30 de dezembro, refere que o montante de 549.842,89€, acrescidos de IVA à taxa legal em vigor, fica assim repartido pelos anos económicos: 2019 – 0,00€; 2020 – 164.952,88€; e, em 2021 – 384.890,01€.

Neste caso concreto, as verbas destinam-se à execução dos trabalhos referentes ao espólio artístico de pintura, escultura e talha dourada e policromada na Igreja, na sala da roda, na capela de São Gonçalo Amarante, no oratório, num armário com portadas (corredor de acesso ao coro alto), no coro alto, no coro baixo, no claustro - oratório dedicado a São Bernardo, altar relicário, capela de São Gonçalo, no claustro, na capela do Santíssimo, e ainda na arrecadação e peças soltas.

Este investimento está integrado na 2.ª componente da Candidatura FEDER da Secretaria Regional de Turismo e Cultura, “Reabilitação e Restauro do Convento de Santa Clara”, que prevê a aquisição de bens e serviços por concurso público internacional, para a conservação e restauro do património móvel e móvel integrado, tendo por base o caderno de encargos desenvolvido pelos técnicos do Laboratório José de Figueiredo da DGPC (Ministério da Cultura) que inclui pintura, escultura, azulejaria, talha e outros suportes e tipologias existentes.

Para além da prestação de serviços de conservação e restauro, decorre ainda a empreitada de “Beneficiação Global das Áreas Visitáveis da Igreja e do Convento de Santa Clara” no âmbito da referida candidatura, uma operação FEDER que conta com aproximadamente dois milhões de financiamento comunitário para a SRTC desenvolver todas as ações previstas, incluindo o desenvolvimento de um projeto de comunicação e divulgação. 

 

“Intervenção potenciará novas descobertas”

 

Segundo Eduardo Jesus, Secretário Regional de Turismo e Cultura, entidade responsável por esta intervenção FEDER que começou a ser preparada em 2015, o projeto de recuperação e restauro do Convento de Santa Clara “assume particular importância, não só na preservação e salvaguarda do património edificado e artístico propriamente dito, como também no estudo da sua história, intrinsecamente ligada à história do Funchal e da Madeira”. Eduardo Jesus sublinha que a intervenção “potenciará novas descobertas que serão ponto de partida para futuros trabalhos de investigação, com equipas multidisciplinares, e a disponibilização ao público de conteúdos associados ao monumento. Além disso, dará a possibilidade de visita adequada e interpretação dos espaços, e ainda a sua integração futura em roteiros turísticos culturais, atendendo à sua enorme abrangência, enquanto testemunho civilizacional e artístico, e à sua relação com outros edifícios nacionais e internacionais”.

Na realidade, trata-se de uma intervenção absolutamente marcante em matéria de Património Cultural na história da Autonomia porque “é o único convento do século XV da Região, e uma das casas religiosas mais importantes a nível nacional, à época, que contém, no seu espólio, pinturas, esculturas, azulejos, talha dourada e policromada, mobiliário, elementos construtivos e decorativos únicos, reflexo da riqueza e vivência de 600 anos de história”.

Por isso, o governante acentua que a conservação e restauro do imóvel, e de todo o seu espólio móvel ímpar, “constitui fator obrigatório para tratar, preservar e divulgar esta herança patrimonial de enorme valor em termos de identidade e cultura da Madeira e do espaço nacional”.

 

Curiosidades

 

- Área de tetos intervir: 650, 97m2

- Altares in loco a intervir: 14 altares (constituído por estrutura retabular, pinturas e ou esculturas e frontão de altar) + 3 oratórios;

- Número de elementos artísticos para restaurar: 600 aproximadamente.


Anexos

Descritores