Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Milhares viram o fogo em segurança

O espetáculo de fogo de artifício do fim-de-ano, foi visto por milhares de pessoas. A partir do anfiteatro funchalense, a maioria em casa, conforme recomendado pelo Governo Regional. Mas, também houve muitos milhares que optaram por ver o fogo a partir das bolsas de segurança criadas pelo Executivo madeirense. 01-01-2021 Presidência
Milhares viram o fogo em segurança

Civicamente, as pessoas cumpriram os limites de cinco pessoas por quadrado pintado por operacionais do Governo Regional. Foram 2.060 “bolsas” onde poderiam estar um máximo de cinco pessoas, de preferência familiares, num total de 10.300 pessoas.

Estes espaços delimitados foram montados na Praça CR7, na Avenida Sá Carneiro, na Marina do Funchal, na Praça do Povo, na Avenida do Mar e nos miradouros da Nazaré, Pico dos Barcelos e das Neves.

E foram totalmente preenchidos, com as pessoas a respeitaram escrupulosamente o distanciamento entre as mesmas e, tal e qual documentam as fotos na Comunicação Social e as imagens televisivas, a perceber muito bem mais esta medida de proteção criada pelo Governo para salvaguarda da Saúde Pública.

Aliás, um comportamento e uma responsabilidade cívica elogiadas pela Comunicação Social e por diversas autoridades, entre as quais o próprio presidente do Governo Regional, que hoje de manhã, a partir do Porto Santo, fez questão de enaltecer essa atitude exemplar.

As pessoas foram ver o fogo, gostaram do que viram e cumpriram com o que se lhes tinha sido pedido, conforme choveram comentários nas redes sociais, e assim cumpriu-se – em segurança e em respeito pela salvaguarda da Saúde Pública, princípio primordial do Governo Regional durante esta crise pandémica – mais uma vez a tradição do espetáculo do fogo-de-artifício, com oito minutos de grande beleza, para gáudio dos madeirenses, mas também dos muitos visitantes que vieram até à Região.

Estima-se em 47% a ocupação hoteleira, números que ultrapassaram as expetativas em tempo de pandemia.