Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Governo Regional reforça aproximação com a Diáspora

Intervenção da Secretária regional na apresentação do livro “Mala de Partilha - Testemunhos de Vida de Migrantes” 07-11-2019 Inclusão Social e Cidadania
Governo Regional reforça aproximação com a Diáspora Na apresentação do livro “Mala de Partilha - Testemunhos de Vida de Migrantes”, uma sessão apoiada pela Cáritas Diocesana do Funchal e o Secretariado Diocesano das Migrações e Turismo, a Secretária Regional de Inclusão Social e Cidadania, Augusta Aguiar, em representação do Presidente do Governo Regional, falou aos presentes, frisando que «a Região Autónoma da Madeira, ao longo dos tempos, foi ponto de partida de migrações, e tem vindo a receber, nos últimos anos, a chegada de muitos imigrantes».
E assegurou: «Ciente dessa realidade, o Governo Regional da Madeira está atento e atuante nesta área, e continuará a desenvolver esforços no sentido de um cada vez melhor acolhimento e integração dos imigrantes, intensificando esse papel, através de uma política de inclusão, social e profissional, e proporcionadora de uma cidadania ativa e plena, que são aspetos primordiais da nossa intervenção social».
Citando o Programa do Governo Regional para 2019 - 2023, Augusta Aguiar sublinhou que este contempla que seja “reforçada a aproximação entre a Região e as Comunidades Madeirenses na Diáspora com vista a manter vivos os valores e estreitos os laços culturais, sociais e cívicos destas e nestas comunidades”. E refere igualmente que “as realidades de algumas das comunidades de acolhimento têm promovido um fluxo significativo de retorno de pessoas à Região Autónoma, tendo como origem a Venezuela, Reino Unido e África do Sul. Nessa sequência, é fundamental que seja aprofundado o trabalho que já vinha sendo prosseguido pelo anterior Governo, com o desenvolvimento de medidas que facilitem a integração, ao nível da informação e reencaminhamento, educação, proteção e apoio social, integração no mercado de trabalho e apoio ao investimento. Mas é fundamental também que a Região saiba aproveitar as competências destes migrantes, quer sejam ao nível das habilitações académicas e conhecimento que trazem, quer seja ao nível do empreendedorismo e da sua capacidade de investimento.”
Em termos de medidas, a governante destacou que o Executivo vai “assegurar a representação da Região junto das autoridades nacionais e internacionais que tratam do fenómeno das migrações” e “manter e fomentar a participação da Região nos Protocolos existentes quer com o Governo da República, quer com outras entidades públicas ou privadas, tendentes ao acompanhamento dos fluxos migratórios e de apoio ao migrantes.”


Anexos

Descritores