Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.

"Os Engenhos de Cana-de-Açúcar"

Exposição Itinerante do Museu Etnográfico da Madeira (MEM). 29-04-2019 DRC
"Os Engenhos de Cana-de-Açúcar" "Os Engenhos de Cana-de-Açúcar"

Até 15 SETEMBRO

Parque Temático da Madeira – Santana
Exposição Itinerante do Museu Etnográfico da Madeira (MEM).
As condições geo-hidrológicas da ilha foram propícias à generalização dos engenhos de água. Nos lugares onde não havia força motriz da água, usava-se a força animal ou humana, os trapiches de besta e as alçapremas.
A palavra trapiche entrou no vocabulário do açúcar para designar todos os tipos de engenho de cilindros usados para moer canas, quer os moinhos de sistema vertical, movidos a bois ou por braços humanos, quer os de eixos horizontais, movidos a água, por bois ou pela força humana. 
Atualmente já não se produz açúcar, mas continua-se a produzir aguardente e mel. São três os antigos engenhos que ainda laboram: Sociedade dos Engenhos da Calheta, Lda., Companhia dos Engenhos do Norte SORUM (Porto da Cruz) e a Fábrica de Mel do Ribeiro Sêco. Mais recentemente surgiu na Calheta o “Engenho Novo”. 
Em 1853, José Maria Barreto e Jorge de Oliveira converteram um arruinado solar, localizado na vila da Ribeira Brava, numa unidade industrial. 
Foi então ali montado um engenho de moer cana-de-açúcar, de tração animal e um alambique de destilação de aguardente. Em 1862, a sociedade fabril passou a utilizar energia hidráulica, instalando-se nesse ano, uma roda motriz de madeira, servida por uma levada, e um engenho de moer cana doce com três cilindros de ferro horizontais. Em 1868, funcionavam também naquela fábrica dois moinhos de cereais.