Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Albuquerque homenageia árbitros que «são orgulho e exemplo»

Jorge Carvalho e David Gomes também marcaram presença nesta iniciativa. 12-05-2021 Direção Regional de Desporto
Albuquerque homenageia árbitros que «são orgulho e exemplo»

Miguel Albuquerque elogiou hoje a dupla Ricardo Fonseca e Duarte Santos, os árbitros madeirenses que representarão Portugal nos Jogos Olímpicos. São uma das 12 equipas que vão representar a Europa em Tóquio.

O presidente do Governo Regional homenageou, em receção que ocorreu na Quinta Vigia, aquela que é a melhor dupla nacional de árbitros de andebol e que repetirão, em Tóquio, a presença olímpica já registada nos últimos Jogos, no Rio de Janeiro. E que complementa a participação nos últimos três campeonatos do mundo, para além de arbitragem de diversos campeonatos europeus e competições europeias de clubes.

Uma participação que, segundo Miguel Albuquerque, é fruto da competência e da dedicação dos árbitros em questão, mas também resultante «do investimento que foi feito, ao longo de todos estes anos, na política desportiva da Região, que abarca os jogadores, treinadores, árbitros e médicos desportivos».

Frisando ser importante saber-se reconhecer o mérito a quem o tem, o líder madeirense disse que a Madeira está na vanguarda, também no andebol, na arbitragem. «Parabéns também à Associação de Andebol. Parabéns ao Duarte e ao Ricardo e queria-vos dizer que contam com o apoio da RAM e que é um grande orgulho, para todos nós, vocês voltarem a participar nuns Jogos Olímpicos», complementou.

Segundo Miguel Albuquerque, a dupla Ricardo Fonseca e Duarte Santos é «o exemplo de que a circunstância de vivermos numa ilha não é um impedimento, não é um empecilho na nossa afirmação internacional, em todos os domínios». «Basta termos capacidade e vontade de atingirmos os objetivos», enfatizou.

O governante lembrou ainda que «o desporto é uma escola que ensina a autodisciplina, o trabalho, a persistência, o treino e a planificação e isso é muito importante do ponto de vista cívico».

«Se as pessoas tiverem a vida organizada, planificada, capacidade de trabalho, autodisciplina, persistência, poderão alcáçar os seus objetivos. Vocês são também um exemplo cívico para a nossa população e sobretudo para as novas gerações», concluiu.


Anexos

Descritores