Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.

Escolas mais esclarecidas no combate ao Coronavírus

Viagens que não sejam «essenciais» não devem ser realizadas. 04-03-2020 Educação, Ciência e Tecnologia
Escolas mais esclarecidas no combate ao Coronavírus

Cerca de 200 docentes titulares de cargos nas direções executivas de escolas públicas e privadas da Região Autónoma da Madeira (RAM) participaram, esta quarta-feira (4 de março), na sessão de esclarecimento, com as equipas do Instituto de Administração da Saúde (IA Saúde) e do Serviço de Saúde da Região Autónoma da Madeira (SESARAM), sobre a problemática do COVID-19 (Coronavírus), promovida pelas secretarias regionais da Saúde e Proteção Civil e de Educação, Ciência e Tecnologia, no auditório da Escola Profissional Francisco Fernandes.

Ao longo de aproximadamente duas horas, os professores puderam conhecer medidas e procedimentos para conter a propagação do COVID-19, tendo suscitado maior debate questões relacionadas com as já habituais viagens previstas no âmbito de projetos Erasmus e de finalistas.

A esse propósito, o secretário regional da Saúde e Proteção Civil, Pedro Ramos, manteve a recomendação já tornada pública. «Esperávamos que, da reunião realizada ontem entre a Autoridade Nacional de Emergência e Proteção Civil, o Ministério da Administração Interna e o Ministério da Saúde, algumas recomendações fossem feitas de forma diferente pelo facto de Portugal já ter casos positivos confirmados. No entanto, Portugal não é um país de transmissão comunitária ativa, portanto o que é aconselhado é que todas as viagens que não são essenciais não devem ser realizadas», sublinhou o governante.

A SRS tem um plano de contingência preparado desde 3 de fevereiro, tendo as respostas dadas ao primeiro caso suspeito na RAM sido positivas; primeiro ao nível da deteção, da sinalização, através da linha de emergência, e do transporte; depois no hospital, quer no aspeto clínico quer no aspeto laboratorial, este último validado pela Direção-Geral da Saúde e pelo Instituto Nacional de Saúde Doutor Ricardo Jorge, tal como está regulamentado para os primeiros cinco casos suspeitos.

Mais informações e recomendações para a prevenção e o controlo do COVID-19 aqui.