Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

Albuquerque destaca atividade editorial do Arquivo na divulgação histórica da Madeira

O presidente do Governo Regional elogiou hoje a atividade editorial intensa, mesmo frenética, e muito bem-vinda do Arquivo e Biblioteca da Madeira e do Museu de Fotografia. Miguel Albuquerque sublinha que este trabalho, «muito bom e muito dinâmico», tem sido importante para a Região divulgar o seu espólio ao nível do Arquivo e da Fotografia. 09-05-2022 Presidência
Albuquerque destaca atividade editorial do Arquivo na divulgação histórica da Madeira

O governante falava hoje, na sede do Arquivo e Biblioteca da Madeira, durante a cerimónia de apresentação do livro “Ilustres Visitantes na Madeira – 1951 a 1991 / Distinguished Visitors in Madeira – 1951 to 1991”, de Vítor Luís, Nuno Mota e Filipe dos Santos, numa edição deste ano da Direção Regional do Arquivo e Biblioteca da Madeira.

Miguel Albuquerque disse ser fundamental divulgar-se todo o espólio existente, sublinhando que está ali muita da história da Madeira.

Por outro lado, realça ficar, mais uma vez, com este livro, «demonstrada a vocação cosmopolita da Região, que remonta já ao século XVIII, e que é um percurso muito singular».

«A Região sempre que se abriu ao mundo teve sucesso. É um fenómeno a nível nacional de acolhimento das diversas culturas e das diversas etnias e de abertura ao mundo», acrescentou.

O líder madeirense lembra que a Madeira, até pela sua diáspora pluricontinental, é uma Região tradicionalmente cosmopolita. «O porto do Funchal é o primeiro paradigma desse cosmopolitismo. Acolhia os navios que partiam para a América do Norte, para a América do Sul, para a África e para a Índia e tudo isso veio contribuir para se criar um clima de abertura ao mundo», recordou.

Recorde-se que este livro surge no âmbito de uma coleção, Madeira Selected Memories, que tem por objetivo levar a História da Madeira até o máximo de leitores possíveis – madeirenses, estrangeiros, curiosos, especialistas –, mediante o uso de apropriado património fotográfico, em edições bilingues, ou seja, simultaneamente em língua portuguesa e inglesa.

Ou seja, junta-se a divulgação documental, a valorização da iconografia histórica e a produção de investigação sobre a memória e a história madeirense.

No plano temático, este volume tem um predecessor, referente a um período anterior, intitulado Ilustres Visitantes na Madeira – 1852 a 1950, que foi dado ao prelo em 2014 pela Delegação Regional da Madeira da Ordem dos Economistas, pela Direção Regional dos Assuntos Culturais (hoje Direção Regional da Cultura) e pelo Photographia – Museu “Vicentes” (atual Museu de Fotografia da Madeira – Atelier Vicente’s).

Com estas obras, o leitor ficará a conhecer individualidades que passaram pela Madeira e para quem este espaço insular foi lugar de entretenimento e de descanso, de passagem e exílio, de celebração e visita solene, de saber e criação artística, de memória e saudade – no fundo, encruzilhada nos rumos das suas vidas.