Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Centro da Sagrada Família com apoio para melhorar as instalações

Miguel Albuquerque visitou hoje o Centro Psicopedagógico da Sagrada Família, onde anunciou o apoio da Região à reestruturação da unidade para doentes profundos e avançou com reforço das diárias por cama. 25-11-2019 Presidência
Centro da Sagrada Família com apoio para melhorar as instalações

O Governo Regional vai celebrar um contrato programa com o Centro de Reabilitação Psicopedagógica da Sagrada Família para a beneficiação total da unidade de reabilitação dos doentes profundos. O valor do investimento será de 1,36 milhões de euros e servirá para, conforme enalteceu Miguel Albuquerque, dotar aquela instituição de maior capacidade de resposta para o tratamento, reabilitação e acompanhamento dos doentes.

O presidente do Governo Regional falava nesta segunda-feira à tarde, durante uma visita que fez à instituição. Para além da obra, a concretizar em breve, o governante anunciou ainda a intenção do Executivo madeirense em «reforçar o valor da diária para a Saúde Mental, para as três instituições». Dos 43 euros atuais, por cama, passar-se-á para os 46/47 euros.

Um investimento que dá continuidade à aposta nesta área da Saúde, onde o Governo investiu 13 milhões de euros neste ano, cerca de 50 milhões de euros na legislatura.

 

De resto, elogios à atividade da instituição, destacando a qualidade dos especialistas que tem aos seu dispor, bem como um apelo para que se ultrapasse o estigma que há em relação à doença mental e aos doentes com essa patologia.

«Tudo faremos para, na Madeira, continuarmos na vanguarda da prevenção, do tratamento, do acompanhamento e da reabilitação na área da Saúde Mental», disse ainda.

Miguel Albuquerque fez ainda questão de chamar a atenção para o facto dos jovens utentes do Centro estarem habilitados para fazer um conjunto de tarefas e também vocacionados para as artes.

«A ideia de que um doente mental deve estar estigmatizado, deve estar fechado é uma ideia errada. Está completamente ultrapassada e é uma ideia preconceituosa e que não deve ser aceite pela nossa sociedade», concluiu.


Anexos

Descritores