Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Região vai tomar medidas necessárias para defender o lobo-marinho

A Região vai tomar as medidas que forem preciso para defender o Lobo-Marinho, garante o presidente do Governo Regional. 27-11-2019 Presidência
Região vai tomar medidas necessárias para defender o lobo-marinho

O Governo Regional vai tomar as medidas necessárias para aumentar a taxa de sobrevivência do lobo-marinho, garantiu Miguel Albuquerque, nesta manhã de segunda-feira, na sessão de abertura do workshop que marca o encerramento do projeto Life de recuperação daquela espécie.

 

O presidente do Governo Regional destacou o caráter pioneiro da Região na preservação e na conservação ambientais, lembrando, para além do projeto de conservação do habitat do Lobo-Marinho e da criação do Parque Natural da Madeira e de várias reservas, a criação da Reserva das Ilhas Selvagens, uma das primeiras, junto com o Parque Natural do Gerês, áreas protegidas no nosso País.

O presidente do Governo Regional diz que a Madeira sempre esteve na vanguarda da proteção ambiental e da preservação do património natural e garante que assim vai continuar.

Neste sentido, enalteceu o estudo que foi feito sobre a vivência dos Lobos-Marinhos na Região, no âmbito do projeto Life, destacando que esse estudo permitiu identificar as maiores ameaças à sobrevivência daqueles animais.

«Hoje, já temos dados sobre essa vivência. Um dos maiores problemas é a alta taxa de mortalidade até ao um ano de vida. Uma das maiores ameaças são os covos, nas Desertas. Há muitos animais, até um ano, que ficam presos nesses covos», realçou.

Uma realidade que obriga a que o Governo vá tomar uma decisão: «Nós vamos decidir no sentido de evitar a colocação dos covos nas Desertas, para acabar com uma das maiores ameaças de extinção destes animais até um ano».

«Vamos ver quais são as medidas que é preciso tomar para aumentar a taxa de sobrevivência e tomar as decisões que se impõem», sublinhou, ainda, a concluir.

 


Anexos

Descritores