Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Apresentado relatório aos danos da intempérie de 25 de dezembro

Miguel Albuquerque anunciou 29 milhões de euros em danos materiais. Acresce ainda investimento a realizar, a médio prazo, num conjunto de medidas estruturais para mitigar riscos, no valor de 11,5 milhões de euros 18-01-2021 Presidência
Apresentado relatório aos danos da intempérie de 25 de dezembro

O Presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, reuniu-se segunda-feira, 18 de janeiro, com o Executivo camarário de São Vicente, para a apresentação do levantamento aos danos nas freguesias de Ponta Delgada e Boaventura, aquando do temporal de 25 de dezembro de 2020.

Após o encontro, o Chefe do Governo anunciou que o valor dos danos materiais na rede viária municipal e regional, em veredas, na rede fluvial, no parque habitacional, na rede de distribuição de água potável, na rede adutora e distribuidora de água de rega, na rede de fornecimento de energia elétrica e em múltiplos equipamentos ascende a cerca de 29 milhões de euros.

À Câmara Municipal de São Vicente caberá uma parcela de despesa da ordem dos 3,7 milhões de euros para reabilitação e reconstrução do património municipal danificado.

Referir que, do montante total agora apurado, cerca de 1,9 milhões de euros refere-se ao custo das intervenções imediatas, já realizadas pelo Governo Regional e pela Câmara Municipal no próprio dia e dias subsequentes ao temporal, para repor, nas condições possíveis, os acessos e os serviços essenciais, designadamente a desobstrução da rede viária e de linhas de água, a remoção de entulhos e os transportes a vazadouro, as limpezas gerais de vias públicas, as consolidações precárias de taludes e plataformas de estrada, o fornecimento de água e de energia elétrica, bem como outras pequenas reparações para retoma, mesmo que condicionada, da segurança da população e das atividades sociais e económicas.

Intervenções a realizar na sequência do levantamento aos danos e respetivos montantes:

– reparação e reconstrução da rede viária regional – 17,5 milhões de euros;

– reabilitação e reconstrução da rede hidráulica fluvial, designadamente de passagens hidráulicas, atravessamento de trechos de estrada e de canais hidráulicos – 4,5 milhões de euros;

– rede de água de rega, tanto ao nível dos canais adutores, como da rede de distribuição – 2 milhões de euros;

– reabilitação de 20 moradias danificadas pelos fluxos detríticos – 628 mil euros –, incluindo os encargos dos realojamentos de quatro famílias, cujas moradias deixaram de oferecer condições de habitabilidade por terem sido severamente danificadas.


Acresce ainda, conforme referiu Miguel Albuquerque, que a reconstrução das infraestruturas afetadas repõe o estado do património atingido, mas não garantem a necessária segurança, em caso de precipitação da mesma ordem de grandeza da verificada no passado dia 25 de dezembro de 2020, pelo que, para além das intervenções a executar, o Executivo pretende ainda realizar, a médio prazo, um conjunto de medidas estruturais para mitigação do risco, no valor de 11,5 milhões de euros, tendo por objetivo a melhoria das condições e da segurança dos escoamentos fluviais nas áreas afetadas.

Intervenções a médio prazo:

– redimensionamento e a construção de novas passagens hidráulicas na rede viária regional;

– construção de pequenas bacias de retenção de material sólido para contenção de fluxos detríticos a montante de zonas infraestruturadas e habitadas;

– construção de um novo canal hidráulico na freguesia de Ponta Delgada para transvaze de águas fluviais excedentárias da Ribeira de S. Nicolau, em caso de precipitação extrema;

– execução de diversos trabalhos de canalização de ribeiras, de regularização de leitos e contenção de margens no afluente da Ribeira dos Moinhos.

O líder do Executivo informou, na sua declaração aos jornalistas que, de acordo com os dados registados, a precipitação que originou a aluvião foi, a todos os níveis, excecional, provocando mais de seis dezenas de deslizamentos de terras que, no total, mobilizaram mais de 40.000 m3 de material rochoso e árvores de grande porte.

No dia 25 de dezembro de 2020, em Boaventura e Ponta Delgada, foram contabilizadas quatro vagas de precipitação intensa. A primeira, entre as 2 e as 4 horas da manhã, a segunda entre as 9 e as 12 horas, a terceira entre as 16 e as 19 horas, período durante o qual ocorreu a aluvião e a última às 23 horas.