1,65 milhões para recuperar Postos Florestais e Torres de Vigilância

Beneficiação de infraestruturas de apoio à deteção e vigilância de fogos florestais e proteção da floresta 04-10-2018 Ambiente e Recursos Naturais
1,65 milhões para recuperar Postos Florestais e Torres de Vigilância A Secretária Regional do Ambiente e Recursos Naturais visitou hoje o Posto Florestal do Cascalho, cuja obra de beneficiação já está concluída. Como explicou Susana Prada, «esta intervenção inclui-se no conjunto de trabalhos de beneficiação que abrangem 12 postos florestais e 6 torres de vigilância, que são decisivos para devolver ao efetivo de guardas florestais condições de trabalho condignas e proporcionais à nobreza da sua atividade, reforçando significativamente a eficácia na prevenção e deteção de incêndios florestais». 

Até momento, o IFCN já recuperou sete postos: o Posto Florestal do Pico das Pedras (Santana), o Posto Florestal do Cascalho (Santana), o Posto Florestal das Chapas (Santa Cruz), o Posto Florestal da Cova Grande (Ponta do Sol), o Posto Florestal da Levada do Pico (Santa Cruz), o Posto Florestal do Poiso (Santa Cruz) e o Posto Florestal da Fajã do Penedo (São Vicente). Prevê-se, em breve, a conclusão dos restantes: Posto Florestal da Encumeada (São Vicente), Posto Florestal do Fanal (Porto Moniz), Posto Florestal da Fonte do Bispo (Calheta), Posto Florestal da Casa Velha (Santa Cruz) e Posto Florestal da Malhadinha (Ponta do Sol).

 

 Em virtude da sua localização, os postos florestais construídas, maioritariamente, em meados do século passado e as torres de vigilância com uma idade média de 25 anos, foram sujeitos, ao longo dos tempos, a condições meteorológicas adversas que aceleraram a sua degradação e que condicionaram a sua operacionalidade, pelo que a sua reabilitação foi considerada premente de modo a devolver ao efetivo de guardas florestais condições de trabalho condignas, de habitabilidade, segurança e higiene, requisitos indispensáveis e consentâneos com os níveis de exigência que hoje são determinantes para o sucesso de uma instituição e que são consentâneos com o papel determinante que o Corpo de Polícia Florestal assume na salvaguarda do nosso património. Assim, para que se possa maximizar o aproveitamento destes recursos, protegendo-os e valorizando-os, o Governo Regional tomou as medidas consideradas necessárias para a efetiva melhoria logística das infraestruturas que servem de apoio direto, no terreno, a todos os que nela trabalham.