Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

ARM implementa economia circular

Sistema de recuperação de metais ferrosos das escórias resultantes da incineração permite aumentar taxas de reciclagem 12-11-2019 Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas
ARM implementa economia circular A Águas e Resíduos da Madeira (ARM) tendo em vista a transição para uma economia circular – aquela que promove a regeneração dos recursos naturais, reduzindo a necessidade de extração do seu meio natural e os impactos ambientais associados a esta atividade - tem em curso um projeto que visa a implementação de um sistema para recuperar resíduos valorizáveis das escórias produzidas na Instalação de Incineração de Resíduos Sólidos Urbanos (IIRSU) da Estação de Tratamento da Meia Serra. 

Com a implementação deste sistema, a ARM prevê retirar das escórias frações de resíduos valorizáveis, nomeadamente metais ferrosos e não ferrosos, passíveis de serem enviadas para reciclagem, e inertes, passíveis de serem incorporados na construção civil e na produção de novos produtos em substituição das matérias-primas. 

O projeto prevê ainda a possibilidade de, no futuro, ser adicionada ao processo a recuperação do vidro existente nas escórias, para uma valorização do mesmo, bem como a instalação de uma solução integrada e sustentável que garanta uma eficiência de recuperação de cada material superior a 90%. 

A implementação do projeto envolverá um investimento estimado em cerca de 1 milhão de euros, o qual já foi alvo de candidatura no âmbito do programa comunitário PO SEUR.

 Vantagens desta solução
A implementação deste projeto tem várias vantagens importantes na gestão dos resíduos na Região Autónoma da Madeira, nomeadamente o aumento das quantidades de resíduos enviados para reciclagem; a redução da utilização de matérias-primas na construção civil e na produção de novos produtos; a redução da deposição em aterro dos subprodutos da incineração – escórias; o aumento do tempo de vida útil do aterro e, consequentemente, a redução dos investimentos necessários em novos aterros.