Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Polícia florestal com vigilância permanente às serras da Região

Patrulhamento faz-se por terra e por ar. 02-09-2020 Ambiente, Recursos Naturais e Alterações Climáticas
Polícia florestal com vigilância permanente às serras da Região

O Corpo de Polícia Florestal continua a manter uma vigilância muito atenta às serras de Região, particularmente durante estes dias em que o calor pôs a Região em alerta laranja.

Composto por 73 elementos este órgão de polícia criminal tem desempenhado vários patrulhamentos, alguns em zonas de difícil acesso, para que a proteção dos nossos recursos e segurança das populações possa estar garantida.

Segundo explicou o presidente do Instituto de Florestas e Conservação da Natureza, órgão que tutela o Corpo de Polícia Florestal, o investimento realizado pelo Governo Regional ao nível de equipamentos e infraestruturas tem possibilitado uma melhoria das condições de trabalho.

“A renovação de 12 Postos Florestais e 6 Torres de Vigilância a Incêndios Florestais e a obtenção de vários equipamentos como motos (moto 4) ou DRONES, por exemplo, são determinantes para identificar e dar uma resposta rápida na fase inicial de um incêndio que é fundamental”, explicou Manuel Filipe adiantando que atualmente é possível um elemento vigiar uma vasta área de terreno usando as novas tecnologias e equipamentos ao dispor.

Este corpo de polícia mantém uma missão permanente durante todo o ano nas serras da Madeira zelando pelo cumprimento dos regimes jurídicos de proteção dos recursos naturais e florestais, da conservação da natureza. Desde 2015 foram investidos 1,8 milhões de euros no âmbito de atuação da Polícia Florestal que ajudaram a que a área ardida tenha vindo a registar um decréscimo.

Ainda recentemente foi aprovada a candidatura para a aquisição de 11 veículos operacionais de proteção e socorro no valor de 650 mil euros que darão certamente um apoio ainda maior a esta força.

De referir que o Corpo de Polícia Florestal integra o Plano Operacional de Combate aos Incêndios Florestais (POCIF) que vigora até 30 de novembro.

Recorde-se que no âmbito das ações de patrulhamento e vigilância, a Polícia Florestal identificou recentemente o alegado autor do incêndio que deflagrou na zona dos Picos, freguesia dos Prazeres, concelho da Calheta.


Anexos

Descritores