Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Escolha do projeto educativo é um direito das famílias

Jorge Carvalho garante apoio governamental aos estabelecimentos de ensino privados. 04-08-2021 Educação, Ciência e Tecnologia
Escolha do projeto educativo  é um direito das famílias

«Entendemos que cabe às famílias escolher o projeto educativo para os seus educandos e, por isso, o Governo Regional apoia todas as escolas de cariz particular.»

 

Assunção feita pelo secretário regional de Educação, Ciência e Tecnologia, Jorge Carvalho, terça-feira (3 de agosto), na cerimónia de entrega de prémios da Escola da Associação Promotora do Ensino Livre (APEL) aos alunos que mais se destacaram no ano letivo agora findo. Aquele estabelecimento é um exemplo da diversidade de oferta de ensino existente na RAM. «Esta escola tem um projeto educativo específico e foi escolhida pelos encarregados de educação na certeza de que a formação aqui recebida é suficientemente sólida para que os seus educandos possam enfrentar a etapa seguinte», sublinhou o governante, elogiando a particularidade de os prémios distinguirem não apenas os desempenhos académicos, mas também os sociais. «Relevam o quão importante é que os nossos jovens se façam acompanhar de um conjunto de valores e de princípios que são fundamentais para os seus desempenhos futuros, enquanto profissionais e, sobretudo, enquanto cidadãos que queremos competentes e capazes na nossa sociedade.»

 

Jorge Carvalho agradeceu aos docentes pelo empenho, dedicação e forma como enfrentaram os desafios que se colocaram nos dois últimos anos letivos, aos alunos por terem trabalhado em função dos seus projetos de vida e às famílias por terem compreendido e ajudado a ultrapassar os obstáculos. «Houve uma conjugação de interesses: os sonhos dos nossos alunos, a missão da escola, o compromisso dos professores e os objetivos familiares; tudo isto permitiu ultrapassar todos os desafios», enalteceu o secretário regional, apontando os resultados alcançados nos exames nacionais um exemplo daquele esforço comum. «67% dos nossos alunos obtiveram notas positivas e das 21 disciplinas que compõem os exames nacionais, a Região obteve média positiva em todas elas», concretizou.

 

Na cerimónia foram distribuídos 102 tis – o til procura honrar o passado daquele estabelecimento de ensino, outrora Escola Complementar do Til, e o troféu, num formato misto de árvore e palmatória, transforma um objeto de castigo num prémio. Destas mais de cem distinções, quatro foram de ouro (média de 20 valores), 34 de prata (média de 19) e 64 de bronze (média de 18). Foram atribuídos 180 diplomas, não apenas pelos desempenhos académicos, mas também pela assiduidade, exemplaridade, espírito de inclusão e camaradagem, participação em projetos (eco-escolas e de teatro), etc., e houve ainda 70 distinções (com vouchers) pelas notas alcançadas em exames nacionais.