Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.

Suplemento Hospital Central da Madeira

O Governo Regional, através da Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas, publicou hoje, dia 18 de dezembro, um suplemento sobre o Novo Hospital da Madeira. Ao longo de oito páginas são descritas as valências, as funcionalidades e a logística daquela unidade de saúde. 18-12-2018 Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas
Suplemento Hospital Central da Madeira

Funcional e intuitivo, por forma a permitir uma fluída e eficaz circulação dos utentes e profissionais de saúde, o novo Hospital da Madeira ficará localizado em Santa Rita, freguesia de São Martinho, no Funchal.

Ocupando uma área total de construção de 171.318,04 m2, dos quais cerca de 127 mil m2 serão para a implementação do edifício, 25 mil m2 para esta estacionamentos e 21,3 mil m2 para áreas técnicas.

Com uma capacidade para 566 camas (num máximo de 625), o projeto do novo hospital prevê a criação de 13 unidades de tratamento que vão dar resposta a um vasto leque de valências médicas, assegurando assim um melhor acesso aos cuidados de saúde da população.

De salientar que cada unidade de tratamento será constituída por 12 enfermarias duplas e dois quartos duplos de uso individual e 1 quarto de isolamento.

Assim, estarão contempladas 27 a 29 camas para a Unidade de Tratamento de Ginecologia; 30 a 37 camas para a UT de Obstetrícia; 30 a 37 camas para a UT de Pediatria; 14 a 27 camas para a UT de Cuidados Paliativos; 25 a 29 camas para a UT de Saúde Mental (adultos e crianças) e nove camas para a Unidade de Tratamento de curta duração anexada ao Serviço de Urgências.

No que respeita às unidades de tratamento relativas aos Cuidados Especiais, estas contarão com 36 box na Unidade de Cuidados Intensivos; 7 box destinadas à Unidade de AVC; 4 box para a terapia intensiva cardíaca; oito box para as doenças coronárias; 11 boxes para a Pediatria; 6 para os Cuidados Intensivos Neonatais e, por fim, 8 box para a Unidade de Neutropenia, num total de 80 box.

Relativamente aos hospitais de dia, é de realçar que o projeto perspetivou 166 postos de atendimento que comportarão oito valências, ou seja, um polivalente (com 18 postos); Hemodiálise (26); Imunohemoterapia (6); Psiquiatria (20), Oncologia (34); Medicina Física e Reabilitação (16); Infeciologia (6) e Medicina Hiperbárica (6).

Haverá ainda a contabilizar mais 37 postos de atendimento inseridos no hospital de dia cirúrgico.

Já a consulta terá 88 gabinetes de consulta e 40 salas de exames, enquanto que o serviço de urgência terá 64 salas de atendimento. Destas 64, 35 serão para a urgência geral, 13 para a Ginecologia/Obstetrícia (incluindo seis salas de parto) e 16 salas para a ala pediátrica.

O projeto, da autoria do atelier ARIPA, contempla ainda áreas de suporte aos médicos, para o pessoal, utentes cafetarias, arquivo, admissão de doentes), para os serviços gerais, para a área de direção e serviços administrativos, para as zonas de ensino e formação permanente e para o Biotério.

Entre as várias inovações a apresentar destacam-se neste novo hospital dois novos aceleradores lineares de radioterapia e ainda modernas unidades de TACS, de ressonâncias magnéticas e de raios X.


Presidente recorda que a Saúde é prioridade do seu Executivo


O presidente do Governo Regional da Madeira recorda neste suplemento que a Saúde é uma das prioridades do seu Executivo, salientando que "melhorar a qualidade de serviço, melhorar as condições de trabalho dos nossos profissionais e com isto melhorar as condições de atendimento dos cidadãos é o nosso compromisso".

"É com esta confiança, com este entusiasmo e sempre com esperança num futuro melhor, que damos continuidade a este longo, mas consistente processo, que culminará com uma nova infraestrutura hospitalar, que a todos encherá de orgulho. Estou certo disso!", afirmou.

Já Amílcar Gonçalves, secretário regional dos Equipamentos e Infraestruturas, relembra que este projeto "foi um trabalho hercúleo e foi um trabalho de muitos, e todos focados num único e solene objectivo, dotar a Madeira de uma moderna e capaz unidade hospitalar que será referência no panorama nacional e não só".