Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Mais um troço da Cota 500 reaberto

Nova obra vem permitir à população das zonas altas de Santo António uma melhor acessibilidade e uma maior fluidez do trânsito. 08-09-2019 Equipamentos e Infraestruturas
Mais um troço da Cota 500 reaberto

A Via Expresso Vasco Gil – Fundoa, à Cota 500, classificada como VE8 na Rede Rodoviária Regional, com uma extensão total de 4 230 metros, permite a ligação do sítio do Vasco Gil à Fundoa, com grandes vantagens em termos de acessibilidade às zonas altas do Funchal, atravessa as freguesias de Santo António e de São Roque e interliga os diferentes lombos existentes entre elas.

Após a abertura, no ano de 2011, do troço compreendido entre a ER 107, no Vasco Gil, e o Caminho do Laranjal Pequeno, com uma extensão de 1 300 metros, foi agora concluída a empreitada de construção da “Nova ligação Vasco Gil – Fundoa, à Cota 500 – 1.ª Fase”, com a abertura à população do troço entre o Caminho do Laranjal Pequeno e o Caminho da Ribeira Grande.

O troço agora concluído e que contou, na passada sexta-feira, dia 6 de setembro, com a visita do presidente do Governo Regional ao local, apresenta uma extensão de 850 metros, dos quais 400 metros correspondem ao troço em Via Expresso e 450 metros ao ramal de ligação ao Caminho da Ribeira Grande. Inclui também um pequeno túnel com 50 metros de extensão e dois viadutos com 176 e 84 metros de extensão, uma passagem superior de peões, que restabelece o Caminho do Lombinho e duas ligações à rede viária municipal, nomeadamente ao Caminho do Lombo dos Aguiares e ao Caminho do Campo do Andorinha, este último beneficiado e alargado numa extensão de 250 metros. 

A empreitada inclui todos os trabalhos de terraplenagem, drenagem, estruturas de suporte, pavimentação, sinalização e instalação dos equipamentos de iluminação e de segurança.

Este troço da obra representa um investimento de cerca 9,4 milhões de euros do Governo Regional da Madeira, tendo sido adjudicada ao consórcio constituído pelas empresas Somague Engenharia, S.A. e Mota-Engil, Engenharia e Construção, S.A.

 


Anexos

Descritores