Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

“Não temos a arrogância de quem sabe tudo e a humildade suficiente de para saber ouvir para melhor decidir”

CCE vai produzir guião para a recuperação económica 08-09-2020 Economia
“Não temos a arrogância de quem sabe tudo e a humildade suficiente de para saber ouvir para melhor decidir”

No âmbito das reuniões com os partidos com assento na Assembleia Legislativa da Madeira, o secretário regional de Economia, Rui Barreto, reuniu hoje o PS e com o PCP, recolhendo contributos para o Plano de Recuperação da Economia da Região - PERAM, que vem a ser elaborado sob a alçada do Conselho Consultivo de Economia (CCE).

 

Acompanhado pela conselheira executiva do CCE, Cristina Pedra, o secretário regional recebeu uma delegação do Grupo Parlamentar do Partido Socialista, encabeçada pelo deputado Sérgio Gonçalves, e o deputado único do PCP, Ricardo Lume.

 

Rui Barreto destacou, desde logo, abertura que a secretaria regional de Economia tem revelado ao receber e ouvir “todos sem exceção”. De referir que, no âmbito do PERAM, o governante tem provido encontros com as ordens profissionais, associações ligadas ao setor empresarial, bem como com os partidos e com as uniões sindicais. “Nós não temos a arrogância de quem sabe tudo e a humildade suficiente de para saber ouvir para melhor decidir”, sublinhou.

 

No que concerne aos contributos deixados esta manhã por parte de ambos os partidos, de salientar as preocupações deixadas pelo PCP relativas à situação laboral dos trabalhadores, bem como com o aumento do desemprego devido à pandemia. Quanto ao PS, deixou contributos, nomeadamente, no reforço dos apoios às empresas e preocupações que têm a ver com a sustentabilidade, a agricultura e também com o mar.

 

Face a estas preocupações, o secretário regional recordou o facto de todas as linhas de apoio às empresas que o Governo implementou até ao momento terem tido sempre “o objetivo da manutenção dos postos de trabalho”.  “Nós queremos manter as empresas vivas, mas queremos proteger o emprego junto dessas empresas, até ao momento que esta pandemia nos possibilite alguma normalidade”, afirmou.

 

A fase que se segue, após audição das uniões sindicais, agendada para amanhã e  quinta-feira, será a finalização e sistematização todos os contributos, para posteriormente o CCE produzir um documento que será “alinhado” com o PERAM, “tendo em conta os meios financeiros de o Governo vai dispor”, ou seja,  o instrumento de recuperação e resiliência e o Quadro Plurianual de Investimentos.

 

Rui Barreto quer que o documento seja “exequível” e que o mesmo “possa servir de guião para a recuperação económica e também para um realinhamento daquilo que é o nosso tecido regional”, disse.

 

O secretário regional responsável pela pasta da Economia lançou ainda um repto aos partidos, nomeadamente ao PS, para que “possam exercer a sua boa influência na República”, pois, segundo referiu, até agora, tudo tem sido “arrancado a ferros”. “Não só a autorização para a Região poder se endividar, mas também do tão necessário aval para que a região possa obter as melhores condições de financiamento”, lembrou.

 

“Nós recebemos os bons contributos, mas também pedimos aos partidos que têm influência no GR ou que lideram o GR que ajudem a desbloquear assuntos que são do interesse da Madeira”.