Este sítio utiliza cookies para facilitar a navegação e obter estatísticas de utilização. Poderá consultar a nossa Política de Privacidade aqui.
Pesquisar

Madeira com os melhores indicadores económicos de sempre

O secretário regional da Economia, Rui Barreto, na intervenção que fez esta tarde, na sessão de entrega de prémios da 33.ª edição das “500 maiores empresas” – evento promovido pelo DN, PREVISÃO, PKF-MADCONTA, ECAM e a INFORMAR D&B e que decorreu no Centro de Congressos da Madeira – em representação do presidente do Governo Regional, disse que a Região tem os melhores indicadores económicos de sempre. 01-12-2022 Economia
Madeira com os melhores indicadores económicos de sempre

Rui Barreto disse que os bons resultados, agora comprovados por uma série de entidades independentes, “são fruto de um conjunto de fatores, desde logo a capacidade de adaptação, das oportunidades que os empresários conseguiram agarrar, da confiança no ambiente económico, na trajetória de desagravamento fiscal, de oportunidades que aproveitámos e que nos posicionámos para o efeito, mas também de uma série de apoios que foram desencadeados pelo Governo Regional”.

Tal como afirmou, “o ‘lay-off’ foi importante, assim como as moratórias e os apoios que o Governo Regional mobilizou, por isso é que surgem todos estes bons indicadores, reconhecidos pelos especialistas que fizeram o tratamento estatístico independente na base da informação financeira produzida pelas empresas e que foi aqui apresentado”.

Entre esses indicadores, disse ainda Rui Barreto, está o facto de “a Região ter apresentado, em 2021, um número recorde de criação de empresas, com o maior número de pessoas ao serviço de empresas privadas, o maior volume de negócios de sempre, o maior excedente bruto de exploração de sempre, assim como os melhores resultados líquidos de sempre”.

Em 2022, de acordo com o secretário regional da Economia, “tudo leva a crer que os resultados ainda serão melhores, com mais visitantes, mais comércio, com o maior número de pessoas empregadas de sempre – 125 mil trabalhadores –, assim como a taxa de desemprego mais baixa dos últimos 13 anos, e tudo isto porque estamos a viver, de facto, um ano bom, quer para as empresas, quer para as famílias, graças à performance económica da Região, com repercussões sociais, a começar pela criação de emprego e rendimento dos trabalhadores”.

Na opinião de Rui Barreto, “a Região deverá atingir, este ano, um Produto Interno Bruto (PIB) recorde, atingindo os 5,6 mil milhões de euros e ultrapassando os 5,1 mil milhões registados em 2019, com um acréscimo de 500 milhões de euros. São, de facto, números muito bons”, rematou o governante.

Estes números, disse, “devem também ser motivo de ânimo para enfrentar o próximo ano, que se prevê de algum arrefecimento económico, fruto da inflação, da subida das taxas de juro e a consequente redução da procura e do consumo privado, ao que se associa, ainda, o previsível agravamento dos custos energéticos, devido ao confronto geopolítico entre a Rússia e a Ucrânia”.

A este propósito, Rui Barreto aproveitou para lançar um repto às empresas, para que invistam na eficiência energética, porque, tal como disse, “empresas mais eficientes, com maior autonomia energética, empresas que investem em processo de otimização, simplificação e digitalização, são empresas com maior capacidade para enfrentar as dificuldades que se avizinham”.

Já no final da intervenção, que antecedeu o jantar em que participava o ministro das Finanças, Rui Barreto disse que ia aproveitar a presença de Fernando Medina na Região para “dar-lhe nota de que está a par do bom relacionamento existente entre o senhor presidente do Governo Regional e o senhor ministro das Finanças, e manifestar o nosso desejo de que esse bom relacionamento seja, também, um factor impulsionador para uma justa revisão da Lei de Finanças Regionais”.

Segundo Rui Barreto, seria importante que essa “ponte” permitisse “à Região termos instrumentos para aprofundar a autonomia fiscal, criar condições para aumentar a competitividade e o crescimento sustentado da economia da Madeira, porque também aqui, no Atlântico, se faz Portugal. Porque os bons resultados que obtivermos – como temos vindo a obter – são resultados que fazem crescer a Madeira e fazem crescer Portugal”.


Anexos

Descritores