Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Rita Andrade releva existência de mais de 2.600 voluntários na Região

A Secretária Regional da Inclusão e Assuntos Sociais, Rita Andrade, disse ontem à noite na Fundação Cecília Zino que o número de voluntários na Região Autónoma da Madeira é superior a 2.600 pessoas e que estão distribuídos por mais de 70 instituições. Destes, mais de 1.600 são voluntários regulares. 02-10-2019 Inclusão e Assuntos Sociais
Rita Andrade releva existência de mais de 2.600 voluntários na Região

Presente no evento evocativo do Dia Europeu das Fundações e Doadores, Rita Andrade, que representava o Presidente do Governo Regional, Miguel Albuquerque, e onde falou de “Filantropia – o seu impacto social”, complementou que “foi precisamente por estarmos cientes da importância do papel dos voluntários, que, em fevereiro deste ano, o Estatuto do Voluntário foi apresentado pelo Governo Regional e aprovado no parlamento regional por unanimidade. O Diploma foi publicado em junho, e veio, na essência, formalizar, reconhecer e valorizar o papel dos voluntários”.

 

A propósito da data, a governante referiu que, na prática, “tem o objetivo de mobilizar os cidadãos para reconhecer fenómenos como a criação de Fundações; as doações, o próprio voluntariado, assinalando esses gestos tão importantes, reconhecendo em paralelo o seu enorme impacto social” porque “cada um de nós tem um papel determinante para conseguirmos uma sociedade que se quer mais justa. E isso norteou a política do Governo Regional até agora com o intuito de esbater assimetrias. E vai continuar a nortear”.

 

Nesse contexto, Rita Andrade acentuou que o papel da filantropia e, sobretudo, o seu impacto “é muito importante em qualquer sociedade, onde a Região não é exceção”.

 

No caso concreto da Madeira, a secretária regional lembrou que tem sido importante o crescimento do Terceiro Setor onde se contam IPSS e outras instituições com atividades complementares no terreno. Disse mesmo que “é através destas instituições que conseguimos chegar mais longe, dando respostas adequadas a situações de alguma vulnerabilidade, e fazer um trabalho mais abrangente junto dos idosos, das crianças e jovens – como é o caso da Fundação Cecília Zino – um trabalho mais abrangente junto das famílias, de pessoas portadoras de deficiência, entre tantas outras”.

Mais disse que uma das possíveis manifestações de filantropia é o voluntariado, “sendo que o número de voluntários que dedicam parte do seu tempo a diversas causas em diferentes instituições, tem aumentado”.

 

O valor das Fundações

 

Antes de concluir o seu discurso, Rita Andrade agradeceu às Fundações da RAM, em particular à Fundação Cecília Zino, uma instituição de utilidade pública, pelo o papel que tem desempenhado na Região ao longo das últimas décadas, com especial enfoque no “importantíssimo papel que teve no tratamento do último surto de poliomielite detetado em Portugal em 1972, já que nesta data era a única unidade hospitalar especializada em pediatria”.

Daí ter expressado que nos contextos em que surgem, as Fundações “visam sobretudo responder a problemáticas e preocupações relevantes em termos sociais. Onde o outro é mais importante do que o meu próprio eu; onde a ajuda ao próximo, sobretudo aos mais carenciados, é o expoente máximo da minha atuação enquanto pessoa ou instituição.

Às fundações da Europa, de Portugal e da Madeira, um grande bem-haja pelo que fazem, e de forma tão grandiosa, em termos sociais”.  


Anexos

Descritores