Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Apoio financeiro extraordinário aos pescadores, armadores e apanhadores com contrato assinado

O Governo Regional assinou esta segunda-feira os primeiros contratos-programa com os pescadores, armadores e apanhadores, concedendo-lhes um apoio financeiro extraordinário pela atividade que desenvolveram em plena pandemia da Covid-19, durante os meses de maio, julho e julho, assegurando dessa maneira o abastecimento de peixe às populações. 12-10-2020 Mar e Pescas
Apoio financeiro extraordinário aos pescadores, armadores e apanhadores com contrato assinado

O Governo Regional assinou esta segunda-feira os primeiros contratos-programa com os pescadores, armadores e apanhadores, concedendo-lhes um apoio financeiro extraordinário pela atividade que desenvolveram em plena pandemia da Covid-19, durante os meses de maio, julho e julho, assegurando dessa maneira o abastecimento de peixe às populações.

 

O secretário regional de Mar e Pescas realçou isso mesmo, enaltecendo o empenho dos pescadores e armadores durante um período “difícil” e de incertezas. “Demos hoje mais um passo, no sentido de o Governo Regional cumprir com o compromisso que assumiu com os pescadores, armadores e apanhadores”, referiu Teófilo Cunha, esta segunda-feira, durante a assinatura dos primeiros contratos, em que também marcou presença o diretor regional de Pescas, Rui Fernandes.

 

O apoio do Governo Regional totaliza um milhão 250 mil euros, verbas exclusivas do Orçamento da Região. O pescador recebe 438,81 euros por cada mês e os armadores 766 euros, podendo este montante subir conforme o tamanho da embarcação. “Estes pescadores e armadores não cessaram a atividade durante a pandemia, mantiveram a economia a funcionar e com isso garantiram o abastecimento de peixe à população”, destacou o secretário regional de Mar e Pescas.

 

Com o número de infetados pela Covid-19 outra vez em sentido crescente, e questionado sobre se o Governo pondera reforçar estes apoios, Teófilo Cunha não se comprometeu por, no seu entender, ser “necessário aguardar pela evolução da pandeia”, mas também não descartou essa possibilidade. “O Governo está sempre disponível para apoiar a pesca e os pescadores”, sublinhou.  

 

A falta de mão-de-obra e a burocracia que limita a entrada na Região de trabalhadores estrangeiros foi outro assunto colocado ao titular das pescas. “A Coopesca já nos tinha alertado para esse assunto, mas o que verificamos é que há mão-de-obra, o que faltam são pessoas disponíveis para trabalhar numa atividade tão exigente”, sublinhou, para esclarecer: “Quanto aos estrangeiros, essa questão não se põe porque primeiro temos de dar emprego aos nossos.”

 


Anexos

Descritores