Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Secretário regional revela crescimento de 30% na apanha da lapa

A apanha de lapas na Região cresceu 29,90 por centro entre setembro de 2019 e setembro de 2020, representando um acréscimo de 55,80 por centro em termos de valor fraturado 30-10-2020 Mar e Pescas
Secretário regional revela crescimento de 30% na apanha da lapa

A apanha de lapas na Região cresceu 29,90 por centro entre setembro de 2019 e setembro de 2020, representando um acréscimo de 55,80 por centro em termos de valor fraturado. Em 2019 passaram pela lota 71 080 toneladas de lapas, correspondendo a 351 743,02 euros; em setembro de 2020, foram descarregadas 92 331,70 toneladas que renderam, na primeira venda, 548 032,59 euros.

 

Estes dados foram revelados pelo secretário regional de Mar e Pescas, Teófilo Cunha, na abertura do Seminário MARISCOMAC, que decorreu quinta e sexta-feira no Porto Santo. O projeto cofinanciado pela União Europeia tem desenvolvido estudo nos mares da Madeira, Canárias e Cabo Verde com a finalidade de desenvolver pesquisas e investigação sobre espécies com potencial para aumentar a fileira de pesca regional.

 

O MARISCOMAC foi coordenado por João Delgado, da Direção Regional do Mar, termina em junho de 2021 e nos últimos quatro anos permitiu que investigadores e técnicos tivessem concluído que há potencial para a Região capturar e comercializar entre 10 a 15 toneladas/ano de gamba da Madeira. A lapa e o caramujo também foram objeto de estudo.

 

O projeto MARISCOMAC tem por finalidade desenvolver condições técnico-científicas, formação, transferência de tecnologia e conhecimento, visando fomentar a exploração e comercialização sustentável de mariscos na Macaronésia. É um projeto aprovado no Eixo 2 do Programa Melhorar a Competitividade das PME's, visando a capacidade das PME para crescerem nos mercados regionais, nacionais e internacionais, e para se envolverem em processos de inovação.

 

O objetivo principal do projeto é desenvolver condições técnicas e bases científicas para a exploração sustentável de mariscos e peixes (recursos pesqueiros) nas águas, quer costeiras quer profundas, da Madeira, Canárias e Cabo Verde, bem como promover a sua comercialização.

 

Os objetivos específicos centram-se na valorização da pesca tradicional, no desenvolvimento de novas pescarias, inovação e mais-valia dos produtos para reforçar as interações na fileira das pescas, fomento de novos modelos de negócio associados aos produtos valorizados e inovadores para aumentar a competitividade do tecido socioeconómico das pescas, restauração e turismo.

 

O projeto Mariscomac, com um orçamento total de 465.603,65 euros, integra o programa INTERREG MAC (2014-2020) em que o beneficiário principal é a Madeira, no caso a Secretaria Regional de Mar e Pescas/Direção Regional do Mar, e envolve ainda Canárias (Universidade de Las Palmas de Gran Canária) e vários parceiros de Cabo Verde, entre os quais o Instituto Nacional de Desenvolvimento das Pescas, a Universidade de Cabo Verde, a Escola de Hotelaria e Turismo de Cabo Verde e o Instituto de Apoio e Promoção Empresarial.

 

 

Na Madeira, o projeto desenvolveu até o momento trabalho extenso sobretudo em três recursos com diferentes caraterísticas e diferentes graus de conhecimento. As lapas, um recurso explorado intensivamente na Madeira já com um grau de conhecimento e gestão da atividade da apanha elevada, mas que importava aperfeiçoar, no sentido de garantir a sua exploração sustentável.

 

 Os caramujos, com exploração incipiente e quase completa ausência de conhecimento acerca deste recurso.

 

A gamba da Madeira, praticamente inexplorada, mas com algum conhecimento experimental proveniente de projetos anteriores. Trata-se de um recurso com potencial para exploração, com stocks a rondar as 10 a 15 toneladas por ano.  

 

De relevar que, no âmbito do MARISCOMAC, o grau de conhecimento sobre estes recursos foi fortemente intensificado, com uma elevada taxa de produção de trabalhos científicos já publicados.

 

Intervieram no Seminário empresários do Porto Santo que relevaram a “condições excecionais” do Porto Santo para o mergulho e as atividade náutico-turistas. O evento conta ainda com uma exposição de fotografia alusivas aos mariscos da Madeira.

 


Anexos

Descritores