Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Infeções hospitalares diminuíram na Região em 2017

Estes resultados constituem uma importante evolução na qualidade e na segurança dos cuidados de saúde na Região e resultam do grande empenho dos nossos profissionais de saúde, na adesão às medidas gerais de prevenção e controlo de infeção. 15-01-2018 Saúde e Proteção Civil
Infeções hospitalares diminuíram na Região em 2017 Em 2017, as infeções hospitalares no Serviço de Saúde da Região registaram uma redução na ordem dos 6,1 por cento relativamente a 2012.  No ano passado, a prevalência de doentes com infeção hospitalar foi de 8.3 por cento, aproximando-se os hospitais da Região das taxas europeias que variam entre 5 a 10 por cento e situando-se ligeiramente abaixo da taxa nacional de 8.9 por cento. 
Esta é a principal conclusão dos resultados preliminares do Inquérito de Prevalência de Infeções Associadas aos Cuidados de Saúde  e Uso de Antimicrobianos nos hospitais de agudos na Europa, que decorreu no ano passado nos dois hospitais públicos da Região ( Dr. Nélio Mendonça e Marmeleiros) e realizado de acordo com o protocolo europeu (Point prevalence survey of healthcare-associated infections and antimicrobial use in European acute care hospita)l, sob orientação da Direcção Geral de Saúde e do ECDC (European Center for Disease Prevention and Control).
Foram analisados um total de 590 doentes correspondendo a 87,4% dos utentes internados. Prevê-se que à semelhança do que sucedeu a nível nacional aquando da validação final dos resultados, que revelou uma redução das taxas relativamente aos dados preliminares,  o mesmo suceda na Região. 
Estes resultados constituem uma importante evolução na qualidade e na segurança dos cuidados de saúde na Região e resultam do grande empenho dos nossos profissionais de saúde, na adesão às medidas gerais de prevenção e controlo de infeção.
A prevenção, o controlo e a redução das infecções hospitalares é um dos maiores desafios de qualquer hospital.

Este tem sido também um compromisso político assumido por este Governo Regional, no âmbito da sua política de saúde. A qualidade e a segurança dos doentes e dos tratamentos é a sua maior preocupação, ambicionando que os serviços de saúde venham a tornar-se uma referência nacional na prevenção e no controlo das infeções hospitalares, 

Recorde-se que, em 2015, o SESARAM foi um dos 12 hospitais nacionais selecionados para integrar o Programa de Prevenção e Controlo de Infeção e de Resistência aos Antimicrobianos promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian, por ter  em funcionamento um programa de prevenção e controlo da infecção e resistência aos antimicrobianos e cumprir todos os programas de vigilância epidemiológica obrigatórios.