Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Pedro Ramos reafirma estratégia do Governo para gerir o envelhecimento

“O maior desafio para a saúde na Região nos próximos anos será o gerir o nosso sucesso”, ou seja, o aumento da esperança de vida e as suas vicissitudes. 18-07-2018 Saúde e Proteção Civil
Pedro Ramos reafirma estratégia do Governo para gerir o envelhecimento O secretário regional da Saúde, Pedro Ramos disse ontem na Assembleia Legislativa da Madeira, que o Governo Regional da Madeira tem uma estratégia para gerir o envelhecimento da população e assegurar maior qualidade de vida aos mais idosos. 
Pedro Ramos, que intervinha no final do debate potestativo sobre as “Altas Problemáticas”, deixou claro que “ o maior desafio para a saúde na Região nos próximos anos será o gerir o nosso sucesso”, ou seja, o aumento da esperança de vida e as suas vicissitudes. 
Elencando as medidas implementadas na saúde, aos vários níveis dos cuidados de saúde, o governante expressou a determinação do Executivo Madeirense em resolver as 600 camas destinadas a doentes agudos ocupadas por  altas problemáticas,  mas explicou que estas situações “serão gradualmente desocupadas à medida que a estratégia do Governo Regional começar a traduzir-se no terreno”. 
Nesse sentido, referiu a rede regional de cuidados continuados cuja nova regulamentação está concluída e permitirá ao Governo Regional reforçar o número de camas. 
A Rede Regional de Cuidados Continuados Integrados assegura um conjunto de respostas, que visam promover a autonomia dos seus utentes através da prestação integrada de cuidados de saúde e ou de apoio social, e contribuir para a melhoria do acesso, das pessoas com perda de funcionalidades, a cuidados técnica e humanamente adequados.
Esta rede é constituída por unidades e equipas de cuidados continuados de saúde e ou apoio social, e de cuidados e ações paliativas com origem nos serviços comunitários de proximidade, abrangendo os hospitais, os centros de saúde, os serviços de segurança social, e o seu funcionamento assenta numa ótica de interligação com a rede dos serviços integrados no Serviço Regional de Saúde e a rede de serviços e equipamentos sociais da segurança social, através da articulação de diferentes linhas e modalidades de intervenção nas áreas da saúde e da segurança social.