Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

SESARAM reforça a importância da prevenção da Obesidade

O especialista reforça: “A melhor arma que temos para combater a obesidade é a prevenção”. 04-03-2021 Saúde e Proteção Civil
SESARAM reforça a importância da prevenção da Obesidade

No Dia Mundial da Obesidade, 04 de março, o médico responsável pelo  Núcleo de Cirurgia Bariátrica do Serviço de Saúde da RAM, António Quintal, alerta para a importância do reforço da prevenção desta doença crónica. Estima-se que cerca de 50% da população adulta da região tenha excesso de peso e por consequência outras doenças associadas, entre elas a diabetes tipo 2, hipertensão e alguns tipos de cancro.

“O sedentarismo aliado ao consumo excessivo de calorias contribuíram para o aumento do número de adultos obesos das últimas décadas, mas o metabolismo e a genética são também fatores determinantes para a obesidade”, referiu o médico cirurgião, António Quintal.

O especialista reforça: “A melhor arma que temos para combater a obesidade é a prevenção”.

 Ao nível do tratamento, o SESARAM  realiza três tipos de cirurgia bariátrica no tratamento da obesidade mórbida, o sleeve gastrectomy (redução gástrica), o bypass gástrico e o mini bypass.

A cirurgia bariátrica é um instrumento eficaz mas não definitivo no tratamento da obesidade mórbida, após a cirurgia há que manter estilos de vida saudáveis sob orientação duma equipa multidisciplinar, para que  a perda do excesso de peso seja mantida ao longo do tempo, idealmente, entre os 80% a 100%.

 A decisão pelo tratamento da obesidade mórbida, via cirurgia é da responsabilidade de uma equipa multidisciplinar e do doente.

Existem vários critérios cirúrgicos de referência com base no índice de massa corporal e outros factores tais como comorbilidades associadas.

Estas cirurgias não têm limite de idade, mas regra geral,  qualquer utente com indicação, entre os 16 e 65 anos, pode ser submetido a este tipo de cirurgia.

Estima-se que a população com obesidade mórbida, não submetida a tratamento, tenha uma esperança de vida de em média 10 anos menos do que a população normal.

 No SESARAM, os doentes com obesidade mórbida são acompanhados por uma equipa multidisciplinar que conta com os médicos António Quintal, Ricardo Viveiros e Miguel Reis, apoiados pela enfermeira Elisa Xavier, pela nutricionista Paula Bettencourt e pela psicóloga Joana Lopes.

 


Anexos

Descritores