Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Exposições de Sandra Baia e Julião Sarmento são “prenúncio das comemorações dos 30 anos do Museu de Arte Contemporânea da Madeira

Eduardo Jesus enaltece trabalho desenvolvido por aquele museu 19-12-2021 Turismo e Cultura
Exposições de Sandra Baia e Julião Sarmento são “prenúncio das comemorações dos 30 anos do Museu de Arte Contemporânea da Madeira

A abertura simultânea das exposições de Sandra Baia e Julião Sarmento, que ocorreu no último sábado, no MUDAS.Museu de Arte Contemporânea da Madeira foi um momento de grande alegria e “um privilégio” para aquela instituição e para a Região.

Presente na inauguração, o secretário regional de Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, sublinhou que a tutela entenda que “um museu é, acima de tudo, um mecanismo de cidadania. O museu tem uma função muito nobre junto da sociedade e, nesse contexto, ter aqui estas duas exposições que, ao fim e ao cabo, corporizam o que é o valor da diferença, é um serviço que se está a prestar à sociedade.”

“Juntando este ato de cidadania que esta casa tem como ADN, tem como função, este privilégio que se tem aqui hoje através da apresentação do trabalho de Sandra Baia e de Julião Sarmento, é a combinação perfeita”, acrescentou ainda o governante, aproveitando para cumprimentar e saudar a presença no evento de Sandra Baia, da viúva e filhos de Julião Sarmento (respetivamente, Isabel, Duarte e Laura Sarmento), assim como dos dois curadores das exposições, David Barro e Benjamin Weil, que fizeram as visitas guiadas inaugurais das mostras.

Enaltecendo o trabalho que tem vindo a ser realizado por Sandra Baia que com “Formas Encontradas” expõe na Madeira pela primeira vez, Eduardo Jesus sublinhou, a propósito de “(un)Disclosed” que “esta exposição tem um sabor especial porque provavelmente foi a última pensada por Julião Sarmento e a primeira concretizada depois de ele nos ter deixado, mas é uma exposição que nos transporta para a comemoração dos 30 anos do Museu de Arte Contemporânea da Madeira.”

Recordando que este Museu surgiu em 1992, tendo em 2015 transitado do Forte de São Tiago para o espaço do MUDAS, o secretário regional sublinhou ainda que “poder ter estas duas mostras como prenúncio das comemorações dos 30 anos do museu é uma alegria muito grande”.

Eduardo Jesus acrescentou ainda que o Museu de Arte Contemporânea da Madeira tem vindo a cumprir a sua função através de várias e diferentes intervenções, “dando espaço aos artistas, provocando o aparecimento de criação, procurando apoiar novos artistas e trazendo coleções importantes como a da Fundação Millenium BCP, entre outras, fazendo com que a presença em vários territórios da cultura através da arte possa significar uma comunicação importante para a nossa valorização”.

Aproveitou ainda o momento para enaltecer o trabalho que é realizado pelos serviços educativos daquela instituição, “um trabalho direcionado para os mais novos” e que é muito importante, porque “a cultura não deve ser um fim, mas um meio, a educação não se deve fazer para a cultura, mas através da cultura e esse trabalho tem sido muito bem realizado.”

“Formas Encontradas” e “(un)disclosed poderão ser vistas, em conjunto com uma seleção de obras do acervo do MUDAS.Museu até 31 de agosto de 2022.


Anexos

Descritores