Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Artesanato madeirense, valorize e compre o que é nosso

Bonecas de Massa contemporâneas de Cristiana Sousa 03-05-2020 Turismo e Cultura
Artesanato madeirense, valorize e compre o que é nosso

O artesanato urbano ou moderno surge como alternativa ao artesanato tradicional, numa época em há uma permanente e crescente procura

de novos conceitos, novas formas e novos materiais, para fazer face aos desafios da globalização embora, muitas vezes, os artistas inspirem-se em motivos do artesanato tradicional, valorizando-o, e procurando manter a identidade cultural da Região, como é o caso de Cristiana de Sousa. Esta artista plástica inspirou-se nas tradicionais “bonecas de massa”, para criar as suas obras, uma interpretação contemporânea daqueles artefactos, com tradição secular na nossa ilha e que marcavam presença obrigatória nos nossos arraiais.
Com várias diferenças relativamente ao artesanato tradicional, o artesanato urbano ou moderno pode fazer uso de matérias-primas utilizadas secularmente, mas recorre a diferentes técnicas, ou utiliza materiais alternativos, na criação das obras.
Como referiu a artista “Em pequena, tive o privilégio de contatar diretamente com a senhora que na altura, era já a única pessoa a confecionar bonecas de massa na ilha. A convite da minha mãe, na altura professora na Telescola da Assomada no Caniço, a Dona Salomé deslocou-se até essa mesma escola para ensinar os alunos a fazer bonecas de massa. Dessa época ficou um registo fotográfico e ficou muito presente na memória da minha mãe, cada um dos passos desta criação. No penúltimo ano do meu curso de Pintura nas Belas-Artes de Lisboa, comecei subitamente a interessar-me pelo património tradicional madeirense. Não sei se pela distância e respetiva melancolia que daí advinha, mas a verdade é que foi a partir desse momento que me suscitou interesse em tentar reproduzir, fielmente, as bonecas de massa. Com o apoio da minha mãe e após várias tentativas, fiz a minha primeira fornada de bonecas. Com o tempo e com a prática, comecei a adquirir um estilo diferente daquele que eu tentava imitar. Não foi propositado, mas sim uma evolução natural. Desde então, a transformação tem sido cada vez mais evidente e até mesmo intencional, porque os tempos são outros e as necessidades também.
Percebi através desta evolução, que o importante não é copiar as bonecas de massa da Dona Salomé ou de outras senhoras que a antecederam, mas sim de criar a minha própria interpretação das mesmas e de lhes dar novas formas, aliadas à contemporaneidade. Atualmente adotei uma nova designação para me referir às minhas bonecas de massa: “fofinhuscas”.
www.instagram.com/fofinhuscas/



Anexos

Descritores