Reabilitação da Marina do Funchal já no próximo ano

A garantia foi dada pelo Vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, na Sessão Comemorativa do Dia da Cidade do Funchal. 21-08-2018 Vice-Presidência
Reabilitação da Marina do Funchal já no próximo ano

 

A obra de requalificação da Marina do Funchal será lançada já no próximo ano. 

De acordo com o governante, a obra emblemática e muito aguardada pelos funchalenses tem um custo estimado de 4 milhões de euros e vem renovar e modernizar as infraestruturas existentes, melhorando as suas valências, com enfoque não só na estética, mas também na segurança.

O Governo Regional continua, assim, a projetar o futuro, prosseguindo a estratégia de modernização do Funchal, capital da nossa Região, promovendo, simultaneamente, o ordenamento do território, a requalificação urbana da cidade, a proteção da sua costa, em sintonia com a elevação da qualidade de vida da sua população.

Na ocasião, o Vice-presidente lembrou os programas de desenvolvimento estruturante do Governo Regional que coadjuvaram o Município do Funchal, direta e indiretamente, técnica e financeiramente e que, no âmbito do PIDDAR, beneficiaram o Funchal, durante esta legislatura, em cerca de 180 milhões de euros.

Por outro lado, Pedro Calado deixou a garantia de que o Governo Regional continuará a agir na defesa dos legítimos interesses de todos os madeirenses e porto-santenses, não negligenciando a reivindicação oportuna daquelas que são as tarefas fundamentais do Estado português e relembrando aqueles que são os seus deveres para com a Região Autónoma e os compromissos assumidos com o Povo da Madeira.

Lembrando que na Madeira vivem mais de 250 mil portugueses que merecem da parte do Estado o mesmo tratamento, respeito e atenção dos que vivem no território continental, o Vice-presidente asseverou que o Governo Regional continuará a reivindicar, entre outras medidas, o financiamento do novo Hospital e a concretização do Princípio da Continuidade Territorial.

“Os atropelos que, sucessivamente, são cometidos, quer seja no transporte aéreo de passageiros, quer seja ao nível do transporte marítimo, ou até, mais recentemente, com o sucedido na ligação de serviço público entre a Madeira e o Porto Santo, é algo de inadmissível e intolerável, tendo o Governo da República, ao negligenciar a contratualização atempada do respetivo serviço com a companhia aérea, provocado o isolamento daquela Ilha e causado avultados prejuízos às suas Gentes, aos inúmeros visitantes que a procuram nesta altura e à economia daquele concelho”.