Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.

Promover a Madeira é promover Portugal

O vice-presidente do Governo Regional defendeu, esta quinta-feira, que os apoios do Instituto de Turismo de Portugal para a Região devem ser atualizados. Pedro Calado lembrou que os dois milhões de euros anuais já não são revistos há mais de três anos e que convinha que esse valor fosse revisto, até porque, tal como afirmou, “promover a Madeira é promover Portugal”. 31-01-2019 Vice-Presidência
Promover a Madeira é promover Portugal Falando para mais de 400 agentes de viagens franceses, reunidos na Madeira para participar na Convenção Anual da Associação das Agências de Viagens Francesas, o vice-presidente do Governo Regional destacou também a importância do mercado francês para a Região.
Os laços de Portugal com a França, segundo Pedro Calado, “são de longa data, não apenas no seio da União Europeia, onde os arquipélagos ultraperiféricos dos dois países estão representados e têm muitos interesses comuns, mas também através da nossa comunidade.” 
De acordo com Pedro Calado, “a comunidade portuguesa em França é a mais numerosa das comunidades portuguesas na Europa e uma das principais comunidades estrangeiras estabelecidas nesse país, rondando um milhão de pessoas, dos quais, alguns milhares de madeirenses”. 
Por outro lado, segundo referiu, “a Madeira também tem acolhido alguns cidadãos franceses, estimando-se que haja aqui uma comunidade próxima das 250 pessoas”.
Além deste aspeto, acrescentou ainda Pedro Calado, “a França é, para nós, um mercado de extrema importância e que gostaríamos de potenciar ainda mais para o futuro. Por isso, deixo-vos aqui o repto para que, através de vós, possam também vir muitos mais turistas franceses à Madeira e ao Porto Santo”. 
Segundo os dados relativos a 2017, a França, segundo Pedro Calado, “foi o terceiro maior mercado emissor de turistas, próximo dos 120 mil, o que corresponderá a uma percentagem de 12,1% de turistas estrangeiros a visitar a Madeira e o Porto Santo, logo depois do Reino Unido e da Alemanha”.
Os dados preliminares de 2018, tal como afirmou, “vêm confirmar o crescimento deste mercado. De novembro de 2017 a novembro do ano passado, o número de dormidas de turistas franceses, registou um aumento na ordem dos 4,2%, o mesmo acontecendo com o número de hóspedes que se cifrou acima dos 162 mil turistas, o que reflete uma subida de 3,6% face aos números dos 12 meses anteriores.”
Na ocasião, Pedro Calado felicitou “o trabalho desenvolvido pela Secretaria Regional de Turismo e Cultura, em especial pela Engenheira Paula Cabaço e por toda a sua equipe, onde destaco a Associação de Promoção da Madeira, pelo empenho que tem demonstrado, pelo trabalho meritório que desenvolveu e pelo seu contributo para que este evento decorresse na Madeira”.
Além disso, destacou também “a participação da Associação de Promoção da Madeira, através dos seus associados, neste evento, com um momento de “networking” que se materializará, amanhã, com a realização de um workshop envolvendo participantes neste encontro”.
Conforme referiu, “para uma região insular como a nossa, realidade que também é conhecida em França – com as ilhas Guiana, Guadalupe, Martinica, Maiote, Reunião e Saint-Martin – sabem, por isso as dificuldades que sentem estas regiões, a que acresce a ultraperificidade, com todos os constrangimentos e desafios que daí resultam”. 
Sabem, por isso, rematou Pedro Calado, “o esforço que temos de fazer para que tenhamos as nossas ilhas no mapa. Aliás, é isso que nos une em fóruns onde as regiões ultraperiféricas procuram estabelecer plataformas de entendimento para as mais diversas áreas, designadamente, junto das instâncias europeias. Sabem, também, o esforço que temos de fazer para a promoção destas regiões como um destino turístico, num universo altamente competitivo”.
Ciente do esforço que é necessário fazer, o Governo Regional da Madeira, disse, “tem vindo a reforçar o investimento na promoção deste destino insular, concretamente, através do reforço das transferências para o orçamento da Associação de Promoção da Madeira, com mais um milhão de euros para este ano. Um esforço financeiro importante, numa altura em que a concorrência aumenta no mercado, particularmente, de destinos da Bacia do Mediterrâneo e do Norte de África”.
Este não é, no entanto, acrescentou o vice-presidente do Governo Regional, “um investimento extemporâneo. É uma aposta que está em sintonia com aquilo que definimos para o futuro e que temos vindo a consolidar de forma sustentada ao longo dos anos, como se pode verificar com as transferências do Governo Regional para a Associação de Promoção da Madeira a triplicarem em apenas três anos, passando de 1,8 milhões de euros, no início de 2015, para 6,4 milhões de euros, no final deste ano”.
Tudo isto, disse, “numa altura em que os números do turismo são animadores, se tivermos em conta que os dados provisórios de que dispomos apontam para um aumento a rondar os dois pontos percentuais ao nível dos proveitos globais, apesar de todo este processo do “Brexit” e das muitas incertezas que dele resultam”. 
Registou, também com agrado, “o aumento na ordem de 9% no número de turistas que chegam à Madeira e ao Porto Santo de cruzeiro. Sendo este um produto que terá, com toda a certeza, algum interesse para os vossos clientes”.

Anexos

Descritores