“Não há freguesias de primeira nem de segunda”

O vice-presidente do Governo Regional disse, esta sexta-feira, que na Região não há freguesias de primeira, nem de segunda”. Pedro Calado, que falava na sessão comemorativa do 437.º aniversário da freguesia da Madalena do Mar, assegura que o que move o Executivo Madeirense “é o compromisso assumido com toda a população, com todos os madeirenses e porto-santenses”. 01-02-2019 Vice-Presidência
“Não há freguesias de primeira nem de segunda”

Recordando alguns dos momentos mais importantes da história daquela freguesia, Pedro Calado lembrou que foi dali que “saíram ilustres conterrâneos que marcaram, também, a história da diáspora madeirense pelos quatro cantos do mundo, de que é exemplo a família Correia que emigrou, nos anos 60, para a Austrália, onde se instalou e lançou raízes para uma comunidade significativa de emigrantes madeirenses”. 

Mas, esta é também, disse Pedro Calado, “uma terra com grande importância para a História da Madeira, por onde passaram personalidades como o Rei Ladislau da Polónia – conhecido como ‘Henrique Alemão’ –, um rei que foi exilado e a quem o Infante D. Henrique deu as terras da Madalena do Mar, num regime do tipo ‘Sesmarias’, no século XV”.

O Governante recordou que “Henrique Alemão terá fundado, aqui, uma grande fazenda povoada, construindo, inclusive, uma capela em honra a Santa Maria Madalena, que viria a dar o nome a esta localidade. A história, que se confunde muitas vezes com as lendas que foram passadas pela tradição oral, contam que Henrique Alemão terá morrido na zona do Cabo Girão, segundo contam, na sequência de uma derrocada, que viria a atingir a embarcação em que o monarca exilado estaria a navegar do Funchal em direção à Madalena do Mar”.

Numa breve caracterização da freguesia e do concelho, Pedro Calado lembrou que, “hoje, apesar da agricultura ter ainda um papel importante na economia local, a Madalena do Mar e todo o concelho da Ponta do Sol tem muita da sua população ocupada noutras atividades, com especial destaque também para a restauração e a hotelaria, entre outras”.

Ao nível agrícola, apontou o vice-presidente do Governo Regional, “passámos de uma agricultura de subsistência, para uma agricultura de matriz empresarial. Basta olhamos para a produção de banana, em particular nesta freguesia – que também é conhecida como a ‘terra da banana’ e que acolhe, anualmente, a Mostra Regional da Banana, evento que já vai para a sua 19.ª edição, apoiado e promovido pelo Governo Regional”. 

Face à sua importância para a economia local e regional, esta é também, tal como afirmou, “uma produção que o Governo Regional tem vindo a dar especial atenção, não apenas em apoio técnico, mas também com outros incentivos aos meios de produção e à modernização agrícola, aspetos que consideramos fundamentais para o desenvolvimento económico e a criação de emprego”.

Também por isso, acrescentou Pedro Calado, o Governo Regional vai proceder, ainda este ano, “à remodelação da rede regional de centros de abastecimento, onde se integra, igualmente, o Centro de Abastecimento Hortícola dos Canhas, que serve todo concelho da Ponta do Sol, com um projeto integrado, a apresentar ao PRODERAM 2020, prevendo-se a aquisição de novos equipamentos, cujo investimento global está estimado em cerca de 250 mil euros”.

Pedro Calado garante que o Governo Regional vai continuar, “como até aqui, a apoiar diretamente os agricultores, com auxílios financeiros complementares, que no ano passado ficaram próximo dos 40 mil euros, permitindo aos produtores agrícolas, seja na horticultura, fruticultura, ou na floricultura, fazer face às despesas com a aquisição de certos fatores de produção, nomeadamente de produtos fitofarmacêuticos, e de fertilizantes”.

Lembrando a criação da GESBA, uma empresa criada pelo Governo Regional para a Gestão do Sector da Banana, Pedro Calado disse que esta “se tem revelado de extrema importância para o sector, garantindo o escoamento aos produtores e o pagamento a horas”.    

O Governo Regional, tal como recordou, “tem feito um grande investimento nas infraestruturas da empresa para garantir melhores condições aos produtores. Exemplo disso foi a entrada em funcionamento do Centro de Processamento da Banana na Ponta de Sol. Um investimento na ordem dos 4,2 milhões de euros que permitiu o dobro da produção diária das 40 para as 80 toneladas de banana processada”.

Ainda naquele concelho, o governante disse que o Executivo Madeirense irá proceder, em breve, “à reformulação do Centro de Bananicultura do Lugar de Baixo, um serviço do Governo Regional que tem dado, também, um importante contributo, revelando-se um importante aliado dos produtores”.

Em matéria de caminhos agrícolas, adiantou que “já está em fase de adjudicação, a construção do ‘Caminho Agrícola do Pinheiro’, um acesso com uma extensão de quase 2.500 metros, e de cerca de 250 metros de ramais. Trata-se de uma via que pretende, precisamente, melhorar o desempenho geral e a sustentabilidade das explorações agrícolas e que passará a servir, neste caso concreto, uma área entre os concelhos da Ponta do Sol e da Calheta”.

Ainda ao nível do sector primário, e no que às pescas diz respeito, referiu que “o Governo Regional vai proceder à reformulação do posto de Pescado da Madalena do Mar. Entre outras intervenções que temos planeado para irem para o terreno ao longo deste e dos próximos anos”.

O início da empreitada de regularização do troço final da ribeira da Madalena do Mar, ainda neste primeiro trimestre de 2019, foi outra das intervenções que Pedro Calado, revelando que este será “um investimento do Governo Regional na ordem dos 6,8 milhões de euros”.

Ao nível de intervenções previstas pelo Governo Regional, Pedro Calado adiantou que “a Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas, através da Direção Regional de Estradas, irá proceder em breve ao início dos trabalhos na Estrada Regional 226, na Ponta do Sol, um troço que, por razões de segurança, se encontra temporariamente encerrado ao trânsito devido à derrocada que ocorreu no passado dia 28 de setembro. Um investimento que estimamos que vá ultrapassar o meio milhão de euros”.

Outra intervenção prevista no âmbito da Secretaria Regional dos Equipamentos e Infraestruturas será, segundo Pedro Calado, “a reabilitação do troço Salões (entre a ER209 e a ER222 e o parque empresarial) ao sítio do Barreiro, na Ponta do Sol, na sequência do temporal de 20 de fevereiro de 2010. Uma intervenção, prevista para o segundo trimestre deste ano, com um valor previsto de 3,9 milhões de euros”.