Governo Regional quer veículos elétricos nos transportes públicos

Durante o mês de Dezembro, um autocarro estará em testes na Madeira e no Porto Santo, ao serviço das três operadoras de transportes regionais. 07-12-2017 Vice-Presidência
Governo Regional quer veículos elétricos nos transportes públicos

 

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, salientou hoje que a Madeira está a dar os primeiros passos na mobilidade sustentável, através do incentivo à utilização de veículos elétricos nos transportes públicos.

Para o efeito, explicou o governante, o Governo Regional aprovou o Programa de Ações para a Mobilidade Elétrica, que prevê a introdução destes veículos nas frotas de transporte coletivo de passageiros, até 2019.

Durante o mês de dezembro, um autocarro estará na Madeira e no Porto Santo ao serviço das operadoras de transportes públicos.

Este é um projeto que já está a ser desenvolvido em algumas cidades a nível nacional e nós queremos fazer um teste aqui, no Funchal e noutras cidades da nossa Região, para ver como é que este autocarro elétrico se comporta perante a nossa orografia, de relevo acentuado e fortes inclinações. Sabemos que ter um autocarro com estas características no Alentejo é uma coisa e que na Madeira será outra”, salientou o governante durante o exercício de demonstração do autocarro eléctrico ‘e.City Gold’.

No evento, que foi antecedido pela assinatura de um protocolo entre o Governo Regional e a empresa CaetanoBus, dona do autocarro, o vice-presidente reforçou que a mobilidade elétrica vem dar uma resposta fundamental à necessidade de reduzir os impactos dos transportes no ambiente e na saúde pública, através da redução da poluição atmosférica e sonora nos centros das cidades.

“Estamos a ir, portanto, ao encontro de uma medida de natureza ambiental, que é altamente cofinanciada por fundos comunitários”, referiu o Vice-Presidente, acrescentando que “existem apoios comunitários e há capacidade de as empresas de transportes públicos poderem vir a fazer uma candidatura para adquirirem estes autocarros. É exatamente isso que queremos transmitir a essas companhias”.