Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

“Olho.te” com estatuto de utilidade pública

Governo Regional quer formalizar o mais rapidamente possível esta declaração, para trabalhar em cooperação com a Associação Artística de Solidariedade Social 16-01-2021 Vice-Presidência
“Olho.te” com estatuto de utilidade pública

O vice-presidente do Governo Regional, Pedro Calado, e o secretário regional do Turismo e Cultura, Eduardo Jesus, visitaram, esta manhã, a Associação Artística de Solidariedade Social Olho.te, onde tiveram oportunidade de observar o trabalho desenvolvido por esta entidade, que dinamiza diversas atividades artísticas, culturais e sociais junto dos moradores do Bairro da Nazaré, com o objetivo de promover a inclusão social e a solidariedade na comunidade.

A ocasião serviu, também, para o vice-presidente deixar a garantia a Hugo Andrade, Presidente da Olho.te, de que o Governo Regional quer finalizar muito rapidamente o estatuto de utilidade pública, por forma a prosseguir fins de interesse geral em cooperação com aquela Associação.

De acordo com Pedro Calado, o objetivo é trabalhar, cada vez mais, em conjunto com estas associações, no sentido de valorizar a recuperação e dinamização dos bairros sociais, nomeadamente a sua componente social.

“Será, portanto, um reconhecimento mais que justo, por todo o trabalho social e cultural que a Olho.te e a sua equipa têm vindo a fazer e a desenvolver junto da população deste Bairro ao longo dos anos, que além de proporcionarem aos moradores grandes momentos de convívio e lazer, também permitiram a promoção de vários valores cívicos e práticas de cidadania e de comunidade, minorando a solidão de alguns moradores e, sobretudo, melhorando a qualidade de vida de muitos”, realçou o vice-presidente.

O governante destacou, ainda, que a Associação Olho.te tem feito um trabalho extraordinário, o que lhe já valeu, inclusive, a referência de vários especialistas nacionais e internacionais na área das artes comunitárias, como é exemplo o livro “Uma arte Irrequieta” de François Matarrasso, investigador que acompanha a arte comunitária em mais de 40 países.