Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

É preciso ter lata virem do continente criticar a saúde na Madeira

O vice-presidente do Governo Regional condenou, esta tarde, o facto de alguns profissionais do continente terem vindo à Madeira, no âmbito de uma iniciativa partidária, criticar o Serviço Regional de Saúde. 22-06-2019 Vice-Presidência
É preciso ter lata virem do continente criticar a saúde na Madeira

Pedro Calado disse que é preciso ter muita lata, quando, no continente, o Serviço Nacional a que estão acostumados, fazem o tratamento de crianças com doenças oncológicas dentro de contentores, que fecham urgências, que ficam vários anos a fio sem contratarem médicos, quando existem greves quer ao nível da enfermagem, quer ao nível da classe médica. É preciso ter lata “vir à Madeira pretender dar lições de moral sobre a nossa saúde”, rematou o governante.

O governante, que falava num evento da Associação Mutualista Montepio Geral, com associados, empresários, clientes e entidades oficiais, que decorreu no Centro de Congressos da Madeira, disse que “a nossa saúde está bem e recomenda-se”. O vice-presidente recordou, a este propósito, o reconhecimento público que foi feito pelas autoridades alemãs ao Serviço Regional de Saúde, aquando do apoio prestado aos seus concidadãos vítimas do acidente com um autocarro ocorrido no Caniço. Na altura, disse, foram destacadas, “as excelentes qualidades e competências que nós temos na saúde, não apenas nos tratamentos e acompanhamento hospitalar, como também na qualidade e eficácia do serviço de emergência médica”.

Pedro Calado, que começou por felicitar o Montepio Geral pela realização deste evento na Madeira, fazendo questão de estar “junto dos empresários e junto dos madeirenses”, felicitou esta atitude, numa altura em que a economia da Madeira dá sinais de grande vitalidade, quer com a redução da dívida pública, quer com a redução do desemprego, quer, ainda, nos demais indicadores económicos, que colocam a economia da Região a crescer há 70 meses consecutivos.
O facto de o Montepio Geral estar próximo dos empresários foi também o mote para o vice-presidente a criticar aqueles que, com pretensões de liderarem um governo, dizerem que nunca estiveram nem nunca estarão ao lado dos empresários. Tal como afirmou Pedro Calado, das duas, “ou não conhece como é que se desenvolve a economia, ou porque não quer desenvolver a economia na Região”.
Conforme referiu Pedro Calado, “não é possível, seja quem quer que seja, estar na liderança de um governo e não estar ao lado do tecido empresarial. Nós temos de saber estar ao lado dos nossos empresários. Temos de saber quais são as ‘dores’ dos nossos empresários, para os poder ajudar e fazer crescer a nossa economia”.
De acordo com Pedro Calado, “são pessoas que pouco fizeram até aqui e, com toda a certeza, não estão, nem nunca estiveram ao lado dos empresários. Mas esses, se calhar, ficam satisfeitos quando o desemprego aumenta. Ficam satisfeitos quando a dívida aumenta, mas não é esse o futuro que a Madeira quer, não é isso que nós vamos fazer”.
De referir ainda que, neste evento promovido pela Associação Mutualista Montepio Geral foram também distinguidos associados com mais de 50 anos de vida associativa, seguindo-se um concerto pela Orquestra Clássica da Madeira, dirigida pelo maestro José Eduardo Gomes e com a soprano coloratura, Anastasia Starchikova.


Anexos

Descritores