Este site utiliza cookies para uma melhor experiência de navegação. Ao navegar está a consentir a sua utilização. Saiba mais sobre a nossa política de cookies aqui.
Pesquisar

Região tem cumprido obrigações financeiras e potenciado o investimento

O vice-presidente do Governo Regional da Madeira, Pedro Calado, destacou esta manhã, no Instituto Superior de Administração e Línguas – ISAL, a boa performance da economia regional, o que tem permitido à Região cumprir com as suas obrigações financeiras e potenciar o investimento. 02-07-2019 Vice-Presidência
Região tem cumprido obrigações financeiras e potenciado o investimento Pedro Calado, que participou como orador convidado, pela UGT, para falar sobre a “Dívida Regional sua importância, implicações, riscos e oportunidades” realçou o bom momento que as contas públicas da Região estão a atravessar, “pelo trabalho que temos vindo a fazer ao longo dos últimos anos”.
O governante recordou, também, que “é preciso que as pessoas entendam que a Madeira, há 40 anos, apresentava uma realidade muito difícil. As famílias e as empresas apresentavam inúmeras carências, desde a falta de infraestruturas, ausência de uma rede de saneamento básico e água potável, acessos viários”.
Depois, acrescentou Pedro Calado, com a adesão à União Europeia, “a Região começou a beneficiar dos fundos comunitários e deu início a um processo de desenvolvimento que é, hoje, aquela realidade que os madeirenses e porto-santenses podem desfrutar. E é preciso que se diga, que beneficiámos mais dos apoios comunitários e de algum endividamento do que, propriamente, a ajuda do Estado”.
Por isso, explicou o governante, “não se trata de endividamento, mas de um investimento que foi necessário fazer para que a Madeira e o Porto Santo tivessem o desenvolvimento e progresso que têm hoje, melhorando, indiscutivelmente, a qualidade de vida dos madeirenses e porto-santenses”.
Neste momento, disse, entramos numa nova fase, que “é o da amortização da dívida pública, ao mesmo tempo que se assiste ao relançamento da economia, com os indicadores a apontarem para um crescimento económico há 70 meses consecutivos, que tem levado à redução da taxa de desemprego, agora na ordem dos 7%”.

Anexos

Descritores